16 de abril de 2024
Campo Grande 24ºC

RODOVIA FEDERAL

Brasília: "É irrisório essa duplicação", diz Vander Loubet à ANTT

Agência quer reajuste no valor de quatro praças de pedágios da BR-163

A- A+

O deputado federal Vander Loubet (PT), também criticou a poroposta da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), durante a 2ª sessão da Audiência Pública nº 3/2023, realizada na 6ª.feira (24.mar.23), em Brasília (DF). O petista apontou incoerências no valor do contrato da renovação da concessão da BR-163 em Mato Grosso do Sul e classificou como "irrisória" a proposta de duplicação de um trecho de 67 km da via. Entenda abaixo.

Mostramos antes aqui no MS Notícias, que em audiência pública na Assembleia Legislativa de MS, o presidente da Casa e até mesmo o governador, Eduardo Riedel, fizeram críticas a proposta da agência. 

O evento em Brasília teve como foco a Rota do Pantanal, como é denominado o trecho de 379,6 km de extensão que faz a ligação entre Campo Grande — mais precisamente do entroncamento com a BR-262 — e a divisa entre Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, em Sonora.

De acordo com o projeto da ANTT, o contrato impõe que sejam investidos R$ 4,3 bilhões em até 30 anos. Porém, nos 5 primeiros anos, seriam feitos apenas reparos estruturais no percurso da Rota.

Está prevista a duplicação de 67 km da rodovia, sendo que 27,3 km são dentro do perímetro urbano de Campo Grande, entre as saídas de São Paulo e Cuiabá, e o restante em anéis rodoviários dentro de outros municípios. Também há a previsão de serem feitos 84 km de faixas adicionais, 2,5 km de vias marginais, 14 passarelas para pedestres, 10 passagens para a fauna e diversos dispositivos de segurança.

Devido ao novo contrato e às obras programadas, a ANTT informou que o edital prevê reajuste no valor de quatro praças de pedágios. A correção nos valores varia de 110% a 130% sobre o que é cobrado hoje.

Para o deputado federal Vander Loubet, são incoerentes os valores estimados pela agência, dado o projeto de obras apresentado durante a audiência, principalmente em relação aos cinco primeiros anos, já que a empresa que terá a concessão fará apenas pequenos reparos estruturais.

“Nós, poder público e usuários, sentimos que a ANTT tem olhado com muito mais carinho as empresas do que a população que utiliza a rodovia. Se o valor aumentar dessa forma, com esse projeto que contém poucas intervenções, podem ter certeza que vai ter uma manifestação muito grande por parte dos usuários", avisou o parlamentar durante seu pronunciamento na audiência.

Vander criticou ainda o pequeno percurso que será duplicado, de apenas 67 km em uma rodovia com extensão de 379 km. “É irrisório essa duplicação, sendo que 60% será feita no trecho urbano de Campo Grande. Toda a sua extensão deveria ser duplicada, sobretudo com esses valores apresentados. É um sonho antigo do sul-mato-grossense, que vê diariamente vidas sendo ceifadas nessa rodovia”, finalizou o parlamentar.

Segundo os diretores da ANTT, as dúvidas e propostas em relação ao projeto poderão ser encaminhadas à Agência até 13 de abril, e que após essa data serão encaminhadas ao Ministério dos Transportes, para que o projeto seja rediscutido e que se façam as alterações necessárias para o edital, que será lançado em 2024.

*Com texto de Alex Nantes e edição de Éder F. Yanaguita