20 de janeiro de 2021
Campo Grande 30º 21º

MÁQUINA AZEITADA

Com ajustes, Azambuja revitaliza gestão e avança dinâmica politica

Exoneração, antecipada pelo MS Notícias, cola mais um carimbo positivo nas atribuições de Eduardo Riedel

Leia também

• Zauith não quer discutir política de Dourados e nega convite para Seinfra

• Em Brasília, Murilo Zauith discute manutenção de rodovias federais

• Com papel de Riedel fortalecido, Azambuja sacramenta pilares de gestão vitoriosa

• Com fôlego de caixa, Azambuja fortalece governo e impulsiona Riedel para 2022

A decisão do vice-governador Murilo Zauith de pedir sua exoneração da Secretaria de Obras - fato que o MS Notícias antecipou na semana passada - adicionou mais um ganho no processo de fortalecimento político e administrativo do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). Zauith pediu para sair e não o fez por desentendimento com o governador. 

Ocorre que nestes dois últimos anos de mandato o gestor tucano precisa realinhar as peças de seu tabuleiro para responder às demandas de curto, médio e longo prazos. Há nesta planilha pautas desafiadoras, como a crise econômica, os impactos da Covid-19, a vacinação em massa e um novo ajuste financeiro da administração dentro de uma conjuntura de retração econômica, até chegar às eleições gerais de 2022, nelas incluída a sucessão estadual.

A saída de Zauith sugere cenários que interessam diretamente ao planejamento que define a estratégia de governança, envolvendo responsabilidades de secretarias e de cargos e o alojamento adequado de funções. As investiduras, como se vê, não podem ser consideradas locações definitivas. É assim que vem funcionando, com sucesso, o desenho conceitual e operacional que tem à frente o titular da Secretaria de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel. 

Homem de larga experiência na vida pública, Zauith soube fazer a leitura correta desse mecanismo gerencial, avaliou as necessidades permanentes e circunstanciais de quem governa o Estado e entendeu ser o momento de interromper seu trabalho na secretaria para concentrar-se na otimização dos papéis políticos que exerce como vice-governador e interlocutor credenciado do DEM, principal força partidária da base de sustentação de Azambuja.

O CORINGA 

Por enquanto, a vaga de Zauith está sendo ocupada pelo antigo adjunto, Luís Roberto Martins de Araújo. As mesmas fontes que na semana passada segredaram sua saída ao MS Notícias, mantêm a expectativa de que Riedel continue sendo um coringa nas mãos do governador e pode ser chamado. As razões são claras: além da reconhecida e testada capacidade na elaboração de soluções, na interlocução em distintos ambientes e na construção de entendimentos, Riedel é a personagem talhada para estar ao lado de Azambuja, na dianteira das próximas intervenções municipalistas. 

Como se sabe, ao arrepio da crise Reinaldo Azambuja entrou reenergizado em 2021, com a projeção de lançar e executar mais um "pacote" de investimentos - o sétimo em sete anos de governo. pretende continuar semeando nos 79 municípios as obras reclamadas pela população, sobretudo nas áreas de infraestrutura, promoção humana e estímulo às pequenas e grandes economias. E para o governo e para o governador é essencial que o crédito dessas realizações seja dado à gestão estratégica.

O pedido de exoneração de Murilo Zauith foi destaque semana passada em matéria do MS Notícias [busque no site o texto com o título e subtítulo "Com fôlego de caixa, Azambuja fortalece governo e impulsiona Riedel para 2022 - Se for confirmada a demissão do vice Murilo Zauith da Secretaria de Obras, titular da Segov é a opção para a vaga"]-