22 de maio de 2024
Campo Grande 24ºC

ELEIÇÕES 2022

Eduardo Riedel defende política na Marcha para Jesus

"Nós vamos invadir a política", disseram pastores

A- A+

O candidato ao governo de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel (PSDB), esteve ontem (7.set.22) no ato religioso conhecido como Marcha para Jesus e defendeu a política no evento, antes usado para exaltar a fé no filho de Deus. 

"Estou aqui para ratificar a conduta de valores e princípios em que acredito. Acho muito importante a Marcha para Jesus, porque é um evento onde as famílias se reúnem, louvam e podem refletir, especialmente neste ano de eleição. Esse momento é muito importante, pois precisamos escolher o destino que iremos dar ao Brasil", sustentou o candidato supostamente apoiado por Jair Bolsonaro (PL).

Mostramos mais cedo aqui no MS Notícias que Bolsonaro usou o aparato da máquina pública para sequestrar o ato de 7 de Setembro, antes usado para celebrar a redemocratização. Ontem, porém, para bolsonaristas no Rio de Janeiro e Brasília, que defendiam o fim da democracia, Bolsonaro pediu votos. O mandatário transformou o ato público em um mega comício eleitoral. 

Em Mato Grosso do Sul não foi diferente. A Marcha para Jesus, antes realizada em 26 de agosto, acabou sendo mudada para 7 de setembro e também foi usada para candidatos bolsonaristas conseguirem exposição com o público evangélico.  

Riedel pousou para foto ao lado da esposa Mônica Riedel. A equipe de campanha de Riedel sustentou que 120 mil pessoas compareceram ao evento, que também foi usado para defender a reeleição de Bolsonaro.

“É uma energia muito grande, uma sensação de congregação. Estou muito feliz de estar aqui com a Mônica, com amigos e milhares de pessoas que tem fé em Deus e em um mundo melhor, com amor, solidariedade, respeito ao próximo e esperança num futuro melhor para todos os sul-mato-grossenses. A fé é nosso alicerce”, disse o candidato.

A abertura da Marcha ocorreu na Praça do Rádio, no Centro de Campo Grande. Na caminhada pela Afonso Pena, o candidato conversou com a população ao lado de sua parceira de chapa, e da candidata ao Senado, a ex-ministra da agricultura, Tereza Cristina. 

O tema da Marcha para Jesus deste ano foi “Igreja, Guardiã de Fé”, com o objetivo de reforçar os valores cristãos e destacar o papel da igreja no amparo espiritual e no acolhimento de pessoas em situação de vulnerabilidade. De acordo com os organizadores, o evento foi destinado a todos que acreditam na palavra de Deus e não só aos evangélicos.

De todos os candidatos ao governo em MS, Riedel foi o único a subir no palco da Marcha, que contou com o apoio do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), padrinho de Riedel. Alguns pastores também falaram politicamente no palanque. Isso porque o evento é organizado pelo bolsonarista pastor e presidente estadual do republicanos, Wilton Acosta, também presidente do Conselho de Pastores de MS. O republicanos é aliado dos tucanos em MS.

"Riedel, uma pessoa que Deus usou para abençoar nosso estado", disse um dos pastores ao microfone. Os pastores se dirigiram aos jovens dizendo que a vida deles está a um fio de ser mudado. Eles também radicalizaram pautas frequentemente usadas para atacar a oposição, falando em doutrinação. "Ninguém manda aluno para escola para ser politizado", disse um pastor. "Nós vamos invadir a política", disse um pastor bolsonarista, chamando de mimimi quem critica a mistura de política e religião, comparando "tênis e chiclete". 

Os políticos também disseram que o Brasil está indo muito bem, apesar de todos os indicadores econômicos mostrarem ao contrário. Eles também exaltaram a gestão de Reinaldo Azambuja ao longo de seus discursos, claramente politiqueiros.