26 de novembro de 2020
Campo Grande 34º 23º

DEFESA

Lula quer suspensão de julgamento após Bolsonaro indicar negociação com Moro

Ele alega que Bolsonaro admite claramente que ofereceu vaga no STF ao ex-juiz para que ele entrasse no governo

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentou requerimento para que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) suspenda julgamento marcado para esta quarta-feira (6.maio) de embargos pendentes sobre o sítio de Atibaia.

Para os advogados, o rompimento entre o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido-RJ) e o ex-ministro Sergio Moro, e as posteriores declarações do presidente sobre Moro, reforçam a suspeita de que o ex-juiz não tinha isenção para julgar Lula neste e em outros processos.

Entre os fatos novos revelados pela briga que justificariam o adiamento do julgamento está a confirmação, pelo presidente, de que havia uma promessa para que Moro, ainda juiz, fosse indicado para o STF (Supremo Tribunal Federal) depois de passar um período no Ministério da Justiça.

Para os advogados de Lula, as negociações entre os dois, “outrora qualificada nestes autos como ‘especulações’ e que ‘nada há de concreto'”, foram agora claramente admitidas por Bolsonaro”.

Bolsonaro afirmou o caso em coletiva onde rebateu as acusações de Moro contra ele:

“Mais de uma vez, o senhor Sergio Moro disse para mim: ‘Você pode trocar o Valeixo, sim, mas em novembro, depois que o senhor me indicar para o Supremo Tribunal Federal’. Me desculpe, mas não é por aí. Reconheço as suas qualidades. Em chegando lá, se um dia chegar, pode fazer um bom trabalho, mas eu não troco”, disse Bolsonaro na coletiva.

Além disso, os advogados de Lula lembram também que o próprio Moro confirmou as suspeitas:

“O ex-juiz Sergio Moro expôs ao Jornal Nacional um diálogo travado com a deputada Carla Zambelli, um dia antes da demissão, em que, ao ser lembrado do compromisso de ir em setembro ao STF, desconversa se limitando a dizer que não estaria a venda. Tal diálogo, porém, evidencia a forma natural em que tal questão era constantemente memorada ao ex-juiz no conduzir de suas atividades. Um prêmio por ter retirado o então candidato [Lula] que estava em primeiro lugar nas pesquisas presidenciais de 2018?”, questionam.

Eles elencam ainda outras afirmações, do próprio presidente e do vice-presidente, Hamilton Mourão, para dizer que a suspeita é de que a promessa de indicação ao STF teria sido feita ainda quando Moro era juiz e julgava processos de Lula.

De acordo com a defesa de Lula, é preciso esperar o andamento do inquérito aberto pelo ministro Celso de Mello, do STF, para investigar as acusações feitas por Moro, para aclarar a relação entre ele e Bolsonaro e permitir que o julgamento do ex-presidente prossiga.

Com informações da coluna de Mônica Bergamo