21 de setembro de 2020
Campo Grande 26º 18º

Mesmo deixando o plenário, vereadores garantem votar a favor do projeto SIM

Ao contrário do que afirmou o Coordenador do MAF (Movimento da Agricultura Familiar), Edivaldo Meneses de que alguns vereadores deixaram a sessão de hoje para não votar o projeto de lei que criaria o SIM (Selo de Inspeção Municipal), a vereadora Rose Modesto (PSDB) garante que tinha uma audiência com os moradores do bairro Aero Rancho e com a empresa de abastecimento de água para tratar da instalação de esgoto na região e devido a isso deixou o plenário antes do início da sessão do projeto.

“Eu conversei com o Edivaldo sobre o projeto, deixei claro que sou a favor, mas não deu tempo de estar presente porque eu tinha um compromisso marcado com os moradores sobre a instalação de esgoto. Sai da sessão no momento em que estava sendo debatida a questão dos músicos da Capital, jamais deixaria o plenário para não votar um projeto, se eu fosse contra, eu votaria contra e não deixaria o plenário”, explica a vereadora.

Assim como Rose, o vereadora João Rocha (PSDB) diz que é a favor do projeto e ressaltou que deixou a sessão para atender um problema de saúde. “Vocês tem acompanhado o problema que venho enfrentando na minha família devido a minha esposa estar com um tumor, então deixei a sessão porque tive um imprevisto e fui atender. Não conheço o coordenador do MAF, mas sou totalmente a favor do projeto e reconheço o quanto é importante votar a favor de algo que trará benefícios ao agricultor”.

Segundo João Rocha (PSDB), falta empenho do prefeito Alcides Bernal (PP) em ter um diálogo com a Câmara Municipal para garantir a votação do projeto. “Falta diálogo entre o prefeito e a Câmara, cadê que o prefeito foi até lá explicar a importância do projeto, pedir aos vereadores que votem algo que pode beneficiar a população, falta esse diálogo. Um ano se passou e temos que trabalhar e não ficar dizendo que existe perseguição dos vereadores com o prefeito, falta um diálogo para tudo melhorar”, afirma João Rocha.

A Câmara não votou o projeto por falta de quórum, já quehavia apenas 13 dos 29 vereadores em plenário.

Dany Nascimento