28 de outubro de 2020
Campo Grande 28º 21º

Prefeito de Vicentina é assombrado pelo "fantasma da cassação"

Heloísa Lazarini

Depois do prefeito de Bonito ter sido cassado, agora é a vez do prefeito de Vicentina ser assombrado pelo fantasma da iminente cassação. No dia 14 de outubro, três testemunhas que afirmam terem recebido oferta de compra de voto do atual prefeito Helio Sato (PMDB) depuseram em Fátima do Sul durante audiência presidida pela juíza Carolina Farah Borges da Silva, que, segundo as testemunhas, as antedeu prontamente e coletou seu depoimento integralmente fazendo todos os questionamentos necessários para apurar a fundo o caso.

Eleito em 2012 para dar continuidade ao mandato do ex-prefeito de Vicentina Marcos Benedetti (PMDB), Hélio Sato está sendo acusado de compra de votos. Segundo testemunhas que procuraram o MS Notícias, o atual prefeito de Vicentina ofereceu R$ 2 mil a uma turma de formandos do 3ª ano do ensino médio de uma escola estadual da cidade em troca dos votos.

A conversa ocorreu no início de dezembro, pouco antes da formatura dos estudantes que aconteceu no dai 14. Os estudantes gravaram todo o diálogo e, posteriormente fizeram a denúncia junto ao MPE (Ministério Público Estadual). Conforme o áudio da gravação cujo link segue abaixo no final da matéria, o ex-prefeito Marquinhos foi quem intermediou a conversa e passou a maior parte do tempo negociando com estudantes a troca de favores.

“Nós precisamos não só do voto de vocês, mas vocês têm que pedir para sua família e para seus amigos votarem no Helio também”, dizia Marquinhos.  No final da conversa, o atual prefeito Helio Sato agradece o apoio dos estudantes e pergunta ao ex-prefeito Marquinhos sobre o acordo fechado com os estudantes.

Marquinhos em seguida diz: “Ah eles querem a festa”, e em reposta uma aluna chega a dizer que os estudantes querem R$ 2 mil ao invés de R$ 1 mil. “Daremos na semana que vem um cheque de R$ 1 mil que vai ficar com alguém responsável e depois das eleições daremos  mais mil, afinal o Helio precisa ganhar a eleição né”, dizia Marquinhos.

Ao perceber que os estudantes desanimaram com o pagamento parcelado da ajuda para festa de formatura, Marquinhos entre em cena mais uma vez e diz: ”Vocês vão votar no hélio mesmo? Podemos confiar em vocês? Então vamos dar R$ 1 mil esta semana e mais R$ 1 mil na semana que vem”, declarou.

Em seguida, os estudantes comemoraram e uma mulher, que ao que tudo indica seja uma professora, ainda comentou: “agora eles estão espertos, quem não chora não mama”. Esse áudio foi apresentado como prova de acusação à juíza Carolina Farah que, provavelmente irá definir a sentença ainda este mês. Se a juíza aceitar as provas, hélio Sato pode ser cassado por compra de votos e deverá perder seus direitos políticos.