08 de dezembro de 2021
Campo Grande 32º 22º

Prefeito se faz de 'vítima' e 'só falta culpar Deus' sobre problemas da Capital, diz Chiquinho

A- A+

Vereador Chiquinho Teles (PSD), criticou prefeito Alcides Bernal (PP) por ter revogado o decreto 12.696 de maio de 2015 que obriga jornada de trabalho dos servidores municipais de oito horas diárias."Toda ação do prefeito Alcides Bernal é um desserviço para população da Capital. Mexer num decreto, aumentando a carga horária dos servidores. Não é possível que um cidadão com um mínimo de inteligência mediana, em sã consciência faça isso, mexer numa coisa que já tinha sido acordada”, disse.

Com revogação do decreto, servidores administrativos de secretarias, autarquias e fundações, que trabalhavam seis horas por dia, cumprindo carga horária semanal de 30 horas, a partir desta sexta-feira (8) passaram trabalhar duas horas a mais, voltando à carga horária de oito horas diárias, 40 semanais. Guardas municipais, médicos e administrativos da educação não estão inclusos na revogação do decreto.Segundo nota divulgada pela Prefeitura, a medida foi adotada para garantir atendimento ao público. 

Nesta sexta-feira (8), Bernal disse que adotou escalonamento do pagamento de salários dos servidores por necessidade, voltando a afirmar que cofres da prefeitura estavam vazios quando assumiu, criticando herança negativa deixada pelo prefeito afastado, Gilmar Olarte. “Todo mundo é culpado dos problemas que ele mesmo tem provocado na cidade, ele [ Bernal] se faz de vítima. Só agora ele falta culpar Deus”, dispara Chiquinho.

Para presidente da Câmara da Capital, vereador João Rocha (PSDB),  Bernal precisa procurar um meio termo para não desencadear greves de servidores no município. “Prefeito deve buscar um entendimento para resolver a situação com servidores municipais e atender na medida do possível suas reivindicações. Servidores foram procurar apoio dos vereadores, mas,a  Câmara Municipal está aguardando posicionamento do prefeito, até para não agir de forma precipitada”, disse João Rocha.

Sem previsão de acordo

Com reunião prevista para 27 de janeiro, com professores da Rede Municipal de Educação ( Reme), Alcides Bernal informou que encontro vai acontecer sem previsão de acerto, pois , segundo prefeito, não há proposta para ser apresentada  à categoria. Professores esperavam fechar acordo antes do término de 2015. A categoria exige cumprimento da  Lei Municipal 5411/2014 que estabelece integralização do piso municipal em 13,01%.