18 de abril de 2021
Campo Grande 30º 19º

Afastamento de vereadores só deixaria Campo Grande pior, segundo ‘lógica’ dos deputados

Se por um lado, a decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul provocou alívio imediato aos vereadores que estavam na iminência de afastamento provisório dos trabalhos na Câmara Municipal de Campo Grande, por outro a decisão do TJ/MS foi vista como sensata por deputados que integram as mesmas legendas que os respectivos parlamentares investigados na Operação Coffe Break.

Líder do PSDB na Assembleia Legislativa, Onevan de Matos foi reticente ao mencionar o correligionário João Rocha, vereador do PSDB, que preside a comissão de ética  que investiga uma possível quebra de decoro dos vereadores que votaram  favoravelmente pela cassação do então prefeito Alcides Bernal em março de 2014.  João Rocha foi um dos nomes citados na lista do Ministério Público Estadual (MPE) para sair de cena temporariamente. “ Essa investigação está andando.  Aos vereadores se devem vão responder e se não deve serão inocentados. O município  está bastante sacrificado com essa crise política  desde a posse do Bernal,  e depois do Olarte, a cidade está sofrendo com a instabilidade política e a população também” disse Onevan  referindo-se  a decisão do TJ/MS.

O posicionamento do tucano vai ao encontro da opinião do deputado Rinaldo Modesto (PSDB), líder do governo no legislativo estadual. Para o peessedebista, o desfalque nas cadeiras da Câmara Municipal indeferido pelo TJ/MS  evitou mais um prejuízo para o município. “Se afastasse os vereadores  nesse momento prejudicaria ainda mais a cidade. “Eles votaram embasados em uma comissão processante  que detectou  alguns crimes de improbabilidade administrativa”, lembra Rinaldo acrescentando que o correligionário João Rocha “está muito tranqüilo, ele  acredita que cedo ou tarde a justiça irá dizer quem é quem”, ressaltou.

O “embaraço político”, expressão utilizada pelo deputado  democrata Zé Teixeira ao definir a turbulência que assola os escombros do legislativo municipal, além de atrapalhar os trabalhos que precisam ser desenvolvidos no município, na opinião de Teixeira  também “mancha a política da Capital”. Num tom observador classificou o momento como “delicado”, sem muitas delongas. “Dos 29 vereadores da Câmara tenho ligação apenas com um, que é do meu partido Airton Saraiva. Lamento que esteja acontecendo isso na nossa capital. O vereador saraiva vai se defender, provar que ele não tem participação de coisas irreais”, ponderou o deputado.

Indeferimento

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ/MS)  negou  na manhã de hoje (1º de outubro) o pedido do Ministério Público Estadual (MPE) de afastar 17 dos 29 vereadores da Câmara Municipal de Campo Grande. A solicitação do MPE foi feita em função do desdobramento da Operação Coffee Break  deflagrada no mês de agosto pelo  Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) que  investiga eventual compra de votos de vereadores para cassar o mandato do então prefeito Alcides Peralta Bernal (PP) em março do ano passado.