16 de outubro de 2021
Campo Grande 26º 20º

Secretária diz que exonerações servem para acabar com 'arranjo político' de vereadores

A- A+

Exoneração dos 16 comissionados ligados a Secretaria Municipal de Polícias e Ações Sociais e Cidadania de Campo Grande provocou alvoroço entre vereadores da Câmara Municipal, que manifestaram-se contrários à atitude da titular da pasta, Marcela Rodrigues Carneiro. Os vereadores Chuiquinho Telles (PSD), Paulo Siufi (PMDB), Thais Helena (PT), Flávio Cesar (PT do B) e Alex do PT, foram taxativos ao descredenciar as demissões dos comissionados, publicadas nesta quinta-feira (5) no Diogrande (Diário Oficial do Município).Questionada pela reportagem do MS Noticias, a secretária informou que não houve perseguição e que a decisão foi tomada como forma de potencializar os serviços de efetivos que desempenham função de técnicos na pasta. “Optei por um novo perfil técnico, para oxigenar os trabalhos. Muitos desses que foram exonerados são apadrinhados e não estavam respondendo a função, alguns tinham até problemas com sindicâncias”, explica.  

Quanto à movimentação dos parlamentares a secretaria considera sem fundamento, já que o procedimento foi dado de maneira normal. “Houve exonerações na época do Olarte e esse movimento todo não ocorreu, não estou entendendo toda essa manifestação. Apenas queremos dar oportunidades para que técnicos, que não tenham arranjo político possam mostrar serviço sem interferência partidária”, confronta,  ressaltando a intenção de acabar com influências políticas , evitando assim, predominância de curral eleitoral. De acordo com a secretária, na Capital, existem 19 Cras ( Centros de Referência de Assistência Social), quatro Centros de Convivência de Idosos, bem como abrigos municipais. No Cras, conforme Marcela Rodrigues são atendidos 5 mil famílias indiretamente, ou seja, um universo de 95 mil pessoas. 

Reunião

Descontentes, vereadores convocaram uma reunião de urgência com a secretária para receber esclarecimentos sobre as demissões. “Vou prestar esclarecimentos, pois tenho certeza que tomei a atitude com responsabilidade. Só acho estranho a vereadora Thais Helena, que em 2013 foi secretaria da SAS, chamar o que eu fiz de retrocesso, sendo que ela  sabe dos procedimentos.  Fui de sua equipe na época e sei como ela procedeu”, dispara. A reunião entre vereadores e secretária está prevista para as 14h desta sexta-feira (6), na Câmara Municipal.