17 de abril de 2024
Campo Grande 21ºC

OPERAÇÃO RES PUBLICA

Acusados de grilar terras da União, ex-vereador e servidor fogem da PF

Cercavam e vendiam os terrenos em Ponta Porã

A- A+

O ex-vereador Ademir César Mattoso e um servidor da prefeitura são considerados foragidos da Polícia Federal (PF).

Eles foram alvos da Operação ‘Res Publica’, deflagrada nesta 3ª.feira (20.fev.24), contra uma organização criminosa que invadia e vendia terras públicas em Ponta Porã (MS).

De acordo com os federais, foram cumpridos mandados de busca, prisões preventivas e outras medidas cautelares. Ademir e o servidor, que não teve o nome revelado, não foram localizados.

A Justiça Federal também expediu sete mandados de busca e apreensão e de afastamento de mais servidores públicos. Ao menos um dos alvos seria funcionário da Empresa de Saneamento Básico de Mato Grosso do Sul (Sanesul).

Todos os envolvidos são acusados de corrupção e estelionato. Todos estão usando tornozeleira eletrônica, incluindo um contador. Os nomes dos alvos não foram revelados.

PRESO E ALVO DE ATENTADO

Em março do ano passado, César Mattoso foi preso durante a Operação Bárbaros por fraude processual e comunicação falsa de crime, mas o processo foi arquivado por falta de provas. Naquela ocasião, o também vereador de Ponta Porã (MS), Rafael Modesto (PSDB), foi alvo e afastado de suas funções por 180 dias. Na época, a PF cumpriu seis mandados de busca e apreensão na Câmara de Vereadores da cidade, bem como nas residências dos alvos da operação. 

A PF continuou investigando a grilagem de terras da União, envolvendo o ex-vereador.

Em dezembro, a casa de Mattoso foi alvejada a tiros e até hoje, porém, o atentado não foi esclarecido.