14 de abril de 2021
Campo Grande 33º 19º

Negligência médica

Adolescente de 15 anos, grávida de 9 meses, morre em ambulância a caminho do hospital

Por volta das 3 horas da madrugada de segunda-feira (11) uma jovem de 15 anos grávida de nove meses faleceu dentro da ambulância a caminho de Campo Grande. A família suspeita que a morte tenha sido causada por negligência médica. 

A jovem Railen Ferreira de Oliveira Gomes,15 anos, morava em Rio Verde de Mato Grosso e estava grávida de nove meses, segundo informações apuradas pelo MS Notícias ela teria completado o 9º mês de gravidez no dia 2 de janeiro. De acordo com informações do marido de Railen, Fernando Gomes da Silva de 23 anos, fazia aproximadamente duas semanas que a esposa estava sentindo fortes dores nas costas e na barriga.

Fernando conta que a jovem foi atendida por dois médicos. Doutor Anselmo e Dr. Milton, que segundo ele negligenciaram o atendimento. "Minha esposa estava com dores semelhantes à dor de parto, porém o médico que atendeu ela, doutor Milton, fez toque e falou que ela não estava de nove meses e sim de oito, disse ainda que ela estava com ansiedade”.

Depois de ser atendida por diversas vezes e liberada para ir para casa, na noite de sábado (9), Railen foi internada no Hospital Municipal de Rio Verde para tomar soro, depois de passar a noite no hospital, ela teria recebido alta às 11 horas do domingo (10), e voltou para casa.

Com decorrer do dia de domingo (10), Railen não passou bem, a mãe da jovem Rosineide Campos Ferreira retornou com ela para o hospital e pediu que alguém tomasse providência da situação. O médico que teria atendido Railen nessa situação foi o doutor Roberval que, segundo mãe, imediatamente solicitou que a jovem fosse encaminhada para Campo Grande com uma suspeita de pneumonia. “Não tinha ambulância apropriada para o transporte da minha filha, então embarcamos em uma ambulância menor com um médico e uma enfermeira, e eu fui comunicada que em São Gabriel do Oeste a ambulância seria trocada por outra com mais espaço para os equipamentos”, conta Rosineide.

No caminho para São Gabriel do Oeste, Railen começou a passar mal, Rosineide conta que quando chegaram ao hospital daquela cidade sua filha teve uma parada respiratória. "Quando eu olhei para ela percebi que não estava nada bem, logo tentaram reanimar minha filha e a levaram para dentro do hospital, eu não pude acompanhar, logo depois veio a notícia que ela havia falecido e que não conseguirão salvar o bebê, perdi os dois”.

A revolta da família da Railen se dá pelo fato de a jovem ter passado mal e ter sido levada para o hospital várias vezes e não ter sido atendida como deveria, Rosineide e Fernando acreditam que a morte tanto da jovem quanto a do bebê poderiam ser evitadas. 

Rosineide ficou ainda mais convencida de suas suspeitas de negligência médica após ter recebido uma ligação do diretor do Hospital Municipal,Roberto Martins."Era por volta das 4 horas da madrugada e ele me ligou falando que a Prefeitura cuidaria do velório da minha filha, eu falei que ia querer o melhor funeral para ela, e mesmo assim eles disseram que arcariam com tudo. Eu achei estranho, porque eles fariam isso? Acho que tem sim alguma coisa errada, para mim foi negligência dos dois médicos que atenderam minha filha”.

Ainda de acordo com a mãe de Railen, enfermeiras que atenderam a jovem no hospital de São Gabriel do Oeste disseram que, ao retirar o bebê do corpo da jovem ele estava com aparência roxa e pesando aproximadamente quatro quilos, elas teriam dito que provavelmente o bebê teria passado da hora de nascer. Rosineide acredita que esse seja o verdadeiro motivo pelo qual perdeu sua filha e neto. O atestado de óbito de Railen apontam problemas respiratórios, mas a família descorda. "Pode até ter acontecido uma pneumonia, mas porque demoraram tanto para transferir ela para Campo Grande?, o meu neto já estava pronto para nascer", finaliza Rosineide.

Falta de anestesista e denúncia 

Segundo Rosineide ela teria ouvido pessoas comentando que não seria possível fazer uma cesária no Hospital Municipal de Rio Verde porque não haveria anestesista para o procedimento cirúrgico. Rosineide disse ainda que os médicos do hospital recebem instruções para não fazerem parto cesária, só normal. 

A mãe de Railen denuncia também que o Dr. Ancelmo que teria negligenciado o atendimento de sua filha, já é aposentado e que faz plantões no hospital para suprir a falta de médicos na unidade.

O MS Notícias entrou em contato com o prefeito da cidade Mario Alberto Kruger, com o diretor do Hospital Municipal de Rio Verde Roberto Martins e com o Secretário Municipal da cidade, Lício Toledo Maciel, porém até o fechamento da matéria não tivemos retorno. Segundo informações o Diretor do Hospital e o Secretário de Saúde estariam em reunião.