19 de abril de 2021
Campo Grande 31º 20º

Apreensões

Agentes penitenciários do Estado fazem buscas em celas e encontram celulares, carregadores e drogas

Foram apreendidos nesta quarta-feira (13) por Servidores da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário de Mato Grosso do Sul (Agepen/MS), celulares e drogas que eram arremessados sobre os muros de um estabelecimento penal do interior do Estado.

As apreensões aconteceram no Estabelecimento Penal Feminino Carlos Alberto Jonas Giordano, de Corumbá, durante rondas no setor destinado à horta, foram encontrados, seis aparelhos celulares, seis carregadores, dois fones de ouvido e um chip, além de 290 gramas de maconha.

Os objetos estavam próximo à muralha da linha de tiro e possivelmente foram arremessados pelo lado de fora do presídio. Em Rio Brilhante, os servidores penitenciários recolheram nesta manhã de quinta-feira (14) 600 gramas de maconha, que estavam nos fundos da Unidade, próximo ao setor de trabalho.

Já na mesma unidade em Rio Brilhante foi apreendido na tarde de quarta-feira (13), 700 gramas de maconha e dois aparelhos celulares, que estavam sobre o telhado da Unidade. Segundo a direção do presídio, em ambos os fatos o entorpecente foi jogado pelo lado de fora da Unidade e não foi possível identificar os responsáveis.

Na Penitenciaria Estadual de Dourados, foi realizada na última segunda-feira (11), uma operação de revista extraordinária em celas da galeria quatro. Na cela 20, foi apreendido um aparelho celular, escondido no chão. Na cela 16, foram recolhidos dois chips e um cartão de memória, escondidos dentro de um chinelo modelo havaianas.

Conforme a direção da penitenciaria, os internos que assumiram a propriedade dos ilícitos foram isolados preventivamente em cela disciplinar. No domingo (10) por volta das 19h30min, durante ronda nas imediações da portaria, no pátio interno, foram localizadas duas caixas de leite contendo oito celulares, sete carregadores, nove chips e sete fones de ouvido.

A Agepen ressalta o bom serviço prestado pelos agentes penitenciários que, com ação rápida, conseguem interceptar e recolher drogas, celulares e outros objetos que são lançados para dentro dos estabelecimentos prisionais do Estado.

Segundo o diretor-presidente da autarquia, Ailton Stropa Garcia, a equipe se esforça para coibir o uso de celulares e drogas, mesmo tendo um número pequeno de agentes penitenciários.