22 de maio de 2024
Campo Grande 25ºC

ELEIÇÕES 2022

Bolsonarista, 1º Sargento da PM ameaça jornalistas em MS (vídeo)

Militante de extrema direita acusa jornalistas de serem 'militantes'

A- A+

Bolsonarista derrotada nas urnas, a 1º Sargento da Polícia Militar (PM) Betânia Kelly Rodrigues da Silva, do Comando de Policiamento Metropolitano (CPM) de Campo Grande (MS), foi às redes sociais ameaçar jornalistas que usam o termo “golpista” ao se referir aos bolsonaristas que estiveram no ato terrorista contra os prédios públicos no dia 8 de janeiro de 2023 em Brasília (DF).  

Por meio de vídeo, a militante de extrema direita que se diz palestrante, “pró-vida/Pró-Armas/Legítima Defesa/Família, e se diz especialista em Educação e Direitos Humanos”, fez uma sequência ameaças citando a ramificação familiar de comunicadores. “Vocês vão viver no mundinho de vocês, na bolha dentro de suas redações? Nos seus mundos fantasiosos? Então, coloque a mãozinha na consciência e comece a raciocinar. Vocês também têm famílias, tá?”, alerta a militar radical.

A crítica da extremista é, segundo ela, em razão de jornalistas colocarem uma espécie de “doutrina” acima de sua profissão. “Olha só, quero fazer um alerta, em especial àqueles jornalistas militantes, parciais, que infelizmente acabam colocando acima da sua competência profissional a sua doutrinação”, inicia.

A sargento esteve já no dia 30 de dezembro, assim que foi declarado Lula (PT) presidente, reunida com radicais de extrema direita em frente ao Comando Militar do Oeste (CMO). Na ocasião, eles pediam intervenção militar, em razão de seu candidato, Jair Bolsonaro (PL), ter saído derrotado das urnas.  Apesar de ao cobrar “intervenção militar” os extremistas estarem sugerindo um golpe de estado, a sargento diz que eles não podem ser considerados golpistas. Ela  diz que se referir aos radicais como golpistas é uma decisão pessoal do jornalista que escreveu tal conteúdo. “E vem aí, escrachadamente colocando principalmente nas suas matérias, o que deveria ser imparcial e realmente relatar os fatos, colocando a sua conclusão pessoal. Chamando pessoas, homens e mulheres, empresários, mães, pais, avós de golpistas”, continua.

Para a sargento, todos os bolsonaristas seriam empresários e donos de estabelecimentos comerciais e caso o jornalista precisasse dos serviços deles, o comunicador poderia sofrer retaliação em razão da publicação de matérias “parciais” desfavoráveis aos pedidos de intervenção militar. “Eu só quero dizer uma coisa para vocês: vocês estão num país em que em algum momento da vida todos nós precisamos uns dos outros. Vai chegar o momento que precisa ir à loja, à padaria, ao supermercado, à oficina. E aí? Se você se deparar lá, com os chamados golpistas por vocês. Vocês já pensaram que essas pessoas poderão não querer atendê-los”, diz a extremista de direita.

Ela completa afirmando que os jornalistas estariam vivendo “num mundinho fantasioso”. “Vocês vão viver no mundinho de vocês, na bolha dentro de suas redações? Nos seus mundos fantasiosos? Então, coloque a mãozinha na consciência e comece a raciocinar. Vocês também tem famílias, tá? Vocês tem mães, vocês tem pais, pessoas que também precisam, né? Da economia do Brasil. Então, acho melhor começar a tratar as pessoas no mínimo com educação. E coloque o profissionalismo acima da doutrinação que vocês tem. Porque caso contrário, vocês vão se deparar num mundo que não existe, e daí vocês vão ficar sozinhos”, finaliza a PM.  

Betânia foi candidata nas eleições de 2018, 2020 e 2022, sendo para os cargos de deputada estadual, vereadora e deputada federal, respectivamente. Em todas as ocasiões ela perdeu.

Em razão das ameaças feitas pela radical, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul (Sindjor) foi procurado. O presidente da entidade Walter Gonçalves, disse que vai enviar ofícios pedindo atuações contra a postagem para o Comando Geral da Polícia Militar, à Corregedoria da corporação, à Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) e ao Ministério Público. "Ela ataca e ameaça jornalistas. É preciso que a PM tome providências", explicou o sindicalista. Eis o vídeo: 


A BOLHA FAKE DA RADICAL DE EXTREMA DIREITA

Assim como a Sargento da PM, diversos radicais de extrema direita acreditam estarem perdendo a “liberdade” por não poderem cobrar intervenção militar e serem criticados por divulgar mentiras nas redes.  

Em posts nas suas redes sociais, a 1º Sargento Betânia chega a comparar a ‘esquerda’ com Adolfo Hitler – nazista Alemão. Para ela, não poder subverter o resultado das urnas ou atacar as instâncias democráticas, é uma sinal de menos liberdade.  

A 1º Sargento, que tem pouco mais de 24 mil seguidores no Instagram, compartilha muitas fake news na rede social. Numa mais recente, ela reproduziu a falsa informação de que uma das idosa presa após o ato terrorista no DF, teria morrido enquanto aguardava triagem feita pela Polícia Federal. “PELO AMOR DE DEUS SENADORES FAÇAM ALGUMA COISA POR ESSAS PESSOAS. EM SUA MAIORIA IDOSOS, E TEM ATÉ CRIANÇAS.... UMA SENHORA DE MAIS DE 70 ANOS FOI MORTA POR CAUSA DAS PÉSSIMAS CONDIÇÕES....”, escreveu a 1º Sargento em suas redes. Apesar disso, tal informação é falsa. A imagem compartilhada pela radical é na verdade a foto de Deolinda Tempesta Ferracini, que faleceu em 10 de outubro de 2022. Um das netos da idosa, Edu Carvalho, de 29 anos, è fotógrafo e fez a imagem da avó na véspera do Natal de 2018. Na época ele disponibilizou a imagem no banco oline do Pinterest, local onde os extremistas de direita pegaram a foto para produzir a fake news.    

A 1º sargento é uma síntese da radical de extrema direita, que dispara conteúdos sobre uma suposta ameaça ‘Comunista’ ao Brasil. E ao faz publicações sabidamente falsas, para manipular grupos radicalizados.