19 de junho de 2024
Campo Grande 22ºC

TRÊS LAGOAS

Conhecido com 'Teko do Samba', músico é executado com tiro na cabeça

Vizinhos relatam suposta discussão da vítima com a ex-esposa

A- A+

O músico Eli Álvaro da Silva Resende, de 41 anos, foi assassinado por volta das 4h do domingo (19.mai.24), em sua casa na Vila Haro, em Três Lagoas (MS). 

Segundo informações preliminares, ele foi alvejado com um tiro na cabeça e seu corpo estava nos fundos da residência. Um vizinho, ao ouvir o disparo, subiu no muro e viu Eli caído, acionando a Polícia Militar.  

Conforme relatado aos policiais e descrito em Boletim de Ocorrência, testemunhas ouviram uma mulher gritar: "Você está me traindo, seu corno". Logo após ocorreu o disparo e a pessoa autora do disparo fugiu em uma motocicleta.  

O Corpo de Bombeiros esteve no local, no entanto, apenas atestou o óbito.  

Nas redes sociais, a atual namorada de Eli, Gabriela Tardelli, em meio ao luto, compartilhou palavras de amor e saudade, recordando momentos felizes e promessas de eternidade. "Você foi meu dia de sol mais bonito, você me salvou de todas as formas que alguém poderia ser salva... Vou te amar pra sempre meu amor". Eles estavam programando um casório, interrompido pela violência.  

Além de artista mais conhecido como Teko do Samba, Eli era militante pelo fim da intolerância religiosa, já que era Irmão de Santo. Ele havia protestado numa publicação realizada há 5 dias nas redes sociais: "Intolerância Religiosa é Crime! Respeite nossa Fé, respeite nosso culto, não fazemos mal a ninguém, apenas louvamos nossos Orixás, nossos Elementos da Natureza. Não é necessário você se adaptar à nossa Religião, você tem livre arbítrio para escolher seu caminho, eu já tentei participar de outras Religiões, mas eu gosto mesmo é de tocar os Atabaques, é de louvar os Orixás. "Somos filhos de uma mesma cor, mesmo sangue e a mesma dor, com espírito de guerra e luz, ferro, fogo, céu e cruz", disse na legenda da foto abaixo: 

O caso é investigado pela Delegacia de Investigações Gerais (SIG) da Polícia Civil de Três Lagoas. O titular no departamento, doutor Ricardo Cavagna, explicou ao TeatrineTV que apesar de informações de que seria a ex-esposa a suspeita, não existe ainda qualquer indício no momento que dê sustentação a isso: "O que nós temos: estamos em rua, estamos em diligência; o que temos de informação concreta, por enquanto, são informações de local, de internet. Não tem como a gente afirmada nada. Não temos nada de concreto agora", disse resumidamente o titular pedindo para que o jornalista retorne na terça-feira, quando a equipe terá mais detalhes sobre o caso.