22 de maio de 2024
Campo Grande 24ºC

MORTE REPENTINA

Guillherme de Pádua, assassino de Daniella Perez, morreu ao 'cair em casa'

'Era uma lagarta e virou borboleta', disse pastor Márcio Valadão ao anunciar a morte do colega

A- A+

O pastor Guilherme de Pádua, de 53 anos, morreu na noite deste domingo (6.nov.22). O ex-ator conhecido por assassina a atriz, colega de cena, Daniella Perez. A morte de Pádua foi confirmada pelo pastor Márcio Valadão, da Igreja Batista da Lagoinha, em uma live no Instagram. 

“É um moço que a sociedade não compreende, porque ele praticou aquele crime tão terrível da Daniela Perez, foi preso, cumpriu a pena e se converteu. Era uma lagarta e virou borboleta. Dentro de casa, caiu e morreu. Morreu agorinha. Acabou de morrer”, disse Valadão no vídeo.  

Condenado pela morte da atriz Daniella Perez [Daniella Ferrante Perez Gazolla], ocorrida em dezembro de 1992, o ex-ator Guilherme de Pádua publicou um vídeo em sua conta de YouTube na terça-feira (2.ago.22), em que pedia desculpas à mãe de Daniella, a autora de novelas Gloria Perez.

"Não foi isso que imaginei", dizia Pádua, ao contar que não desejava que o pedido de desculpas fosse feito em vídeo e que em diversos momentos ensaiou contatar advogados das partes envolvidas ou pedir que alguém intermediasse um encontro entre ele e a mãe da vítima. "Mas talvez eu nunca vá ter a possibilidade real de pedir perdão por isso", ele continua. "Eu te peço perdão por todo o sofrimento que te causei", afirma, se dirigindo a Gloria Perez.

Na ocasião, Pádua, então, estendeu um pedido de desculpas ao marido de Daniella Perez, Raul Gazzola, que teria recebido o ex-ator com um abraço quando ele chegou na delegacia sem que soubesse de seu envolvimento no crime. "Ali vi que era a pior pessoa do mundo. Nunca na minha vida eu senti algo como naquele momento", acrescentou o ex-ator. Veja o vídeo em recente reportagem publicada aqui no MS Notícias

BOLSONARISTA

O ex-ator também foi alvo de polêmica durante a campanha presidencial. Pádua já havia participado de manifestações pró-Bolsonaro e chegou a receber o presidente e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, para um culto na Igreja Batista da Lagoinha, onde atuava como pastor.