16 de abril de 2024
Campo Grande 24ºC

EXTREMISTA DE DIREITA

Major da PM e assessor de deputado do PL-MS é flagrado em 'QG do jogo do bicho'

Estava numa casa onde 700 máquinas ilegais foram apreendidas

A- A+

Major aposentado da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul e assessor parlamentar Gilberto Luiz dos Santos,  do deputado Neno Razuk (PL-MS), é uma das 9 pessoas flagradas numa residência em Campo Grande onde a Polícia Civil apreendeu 700 máquinas de apostas ilegais do jogo do bicho na 2ª feira (16.out.23).

De acordo com o g1, Gilberto poderia ser o chefe de um grupo que comanda apostas ilegais do jogo do bicho no Estado.

Embora o assessor parlamentar receba um salário de R$ 1,3 mil, conforme o portal de transparência da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (Alems), sua remuneração bruta mensal como policial aposentado é de R$ 21 mil.

O g1 disse que tentou entrar em contato com Gilberto, porém não obteve resposta. O deputado estadual Neno Razuk também foi contatado e respondeu que só se manifestará quando a defesa do funcionário parlamentar tiver acesso ao conteúdo da investigação policial.

As 700 máquinas do jogo do bicho foram apreendidas no bairro Monte Castelo, uma região residencial de Campo Grande.

A equipe da Delegacia Especializada Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros (Garras) encontrou o "QG" do jogo do bicho.

Não se sabe ainda se as investigações serão realizadas pelo Garras.

Os policiais chegaram aos objetos durante uma investigação de um suposto sequestro. Após receberem denúncias de um carro que participou de um roubo, a equipe visualizou o carro estacionado em frente a uma casa e suspeitou da situação. Ao entrar na casa, os policiais encontraram as máquinas de jogo do bicho. A maioria do equipamento apreendido é nova.

Desde setembro de 2019, o jogo do bicho em Campo Grande está sem um líder específico após a operação Omertà, que prendeu Jamil Name e Jamil Name Filho, acusados de chefiar a milícia armada e a jogatina. As bancas foram retiradas das ruas, e Jamil Name morreu na prisão devido à Covid-19. Jamil Name Filho está preso e enfrenta acusações de posse de armamento ilegal, organização criminosa e mandante de assassinato. Ele e seu irmão estão sendo acusados de controlar o jogo do bicho e usar a empresa Pantanal Cap para lavagem de dinheiro, com R$ 18 milhões bloqueados pela justiça. O processo está na fase de ouvir testemunhas.

FONTE: g1.