29 de maio de 2024
Campo Grande 14ºC

LUTO

Susana Naspolini morre aos 49 anos vítima de câncer

Em publicação no Instagram a filha agradeceu pelas orações e lembrou a longa luta da mãe contra a doença:

A- A+

Morreu nesta terça-feira, 25 de outubro, aos 49 anos, a jornalista da TV Globo Susana Naspolini. A repórter do “RJ1” estava internada em um hospital de São Paulo tratando um câncer avançado já em fase de metástase. A morte foi confirmada pela filha de Susana, Julia Naspolini.

Em publicação no Instagram, ela agradeceu pelas orações e lembrou a longa luta da mãe contra a doença:


“Oi, amigos, Julia aqui. É com o coração doendo que venho contar pra vocês que a mamãe não está mais com a gente. Ela lutou muito, nossa guerreira! Agradeço muito pelas orações, muito mesmo, muito obrigada, mas infelizmente não deu”.

Susana enfrentou a doença por cinco vezes. A jornalista tinha apenas 18 anos quando descobriu que estava com câncer nas células do sistema linfático. Era o início de uma grande luta.

Quase vinte ano depois, aos 37, Susana foi diagnosticada pelos médicos com um tumor maligno na mama e, logo em seguida, outro na tireoide. Em 2016, a jornalista encarou mais uma vez outro câncer de mama, esse que em 2020 evoluiu para uma metástase nos ossos.


Uma das jornalistas mais queridas no Rio de Janeiro e em todo o Brasil, Susana recebeu homenagens de diversos colegas da Globo. Fátima Bernardes, André Trigueiro, Leilane Neubarth, Pedro Figueiredo e muitos outros enviaram suas condolências à família.

Ainda não há informações sobre o velório e enterro da jornalista.

BEM-HUMORADA, SUSANA SEMPRE SONHOU EM SER REPÓRTER

 

Reprodução/Instagram@susana naspolini
Susana Dal Farra Naspolini Torres nasceu no dia 20 de dezembro de 1972, em Criciúma, Santa Catarina. Desde cedo, ela dizia que seu sonho era ser repórter. Dona de um bom humor único e uma espontaneidade ímpar, Susana era conhecida por produzir reportagens no Rio de Janeiro. Entrou para o Grupo Globo em 2002, época em que se tornou repórter temporária da GloboNews. Passou pelo Canal Brasil, pela produção da Editoria Rio, da TV Globo, e pela equipe de reportagem dos telejornais ‘Bom Dia Rio’ e ‘RJTV’.


Em 2008, começou a apresentar o quadro ‘RJ Móvel’, parte do ‘RJ1’. Seu jeito divertido costumava atrair a atenção do telespectador. Susana fez reportagens em que andou de skate e bicicleta, pulou poças de esgoto, entrou em buracos, mas sempre assertiva na hora que precisava, por exemplo, cobrar as autoridades diante de um descaso do poder público, principalmente em áreas carentes.


“Meu trabalho como repórter é onde eu sou feliz. Sou uma repórter otimista, sempre acho que vai dar jeito, que as coisas vão melhorar. Acredito nas boas intenções das pessoas. Sou incansável. Acredito que o bem sempre prevalece”, disse Susana, em 2017, à reportagem do Memória Globo.

E emendou. “O jornalismo local é minha paixão. É sobre a cidade em que a gente mora, é onde a gente cumpre nossa missão de jornalista, que é fazer o mundo melhor, ajudar as pessoas, contribuir de alguma forma. Só que daí tem de tudo, matérias alegres, tristes, violência, saúde”, elencou.