16 de agosto de 2022
Campo Grande 33º 23º

COMPORTAMENTO

Vídeo: Erika LaBrie, aos 50 anos declara: "Sinto atração sexual por uma cerca"

Ela narra discriminação de amigos e familiares

A- A+

A norte-americana, Erika Labrie, de 50 anos, diz sentir atração sexual por uma cerca. Ela é profissional de tiro com arco e tem como orientação sexual a “objectum sexual”, parafilia em que a pessoa se apaixona por objetos inanimados. Ela falou ao sobre essa questão na internet e sua declaração viralizou.  

Ela publicou um vídeo esfregando seu órgão genital em um cerca vermelha de madeira e dizendo: “Eu não esperava encontrar uma cerca como esta aqui”. “Ela (cerca) é perfeita, quer dizer, essa é a forma que eu gosto tanto. Esses ângulos? Fabuloso”, observa, Labrie. 

“As cercas são objetos tão perigosos para mim porque são tão perfeitas em sua geometria”, diz LaBrie. “Definitivamente, estou fisicamente atraída por esta cerca e gostaria de conhecê-la melhor”, acrescenta. Veja o vídeo: 

 

Popularmente conhecida como "Erika Eiffel", por ela já ter declarado ser amor sexual pela Torre Eiffel, em Pariz, na França. 

LaBrie chamou a atenção do mundo já em 2007 depois de “casar-se” com a Torre Eiffel, no que foi descrito como uma cerimônia de compromisso que ocorreu em Paris.

Posteriormente, a mulher mudou seu sobrenome para “Eiffel” e gosta de usar seu novo nome.

Ao longo do mês passado, muitos outros relatos de pessoas romanticamente ou sexualmente atraídas por objetos inanimados vieram à tona. Sarah Rodo, da Alemanha, já se abriu sobre sua atração por um avião do modelo Boeing 737 que ela carinhosamente chama de Dicki.

Mais recentemente, a história de um homem que está em um relacionamento sexual com seu carro, se tornou viral depois que um vídeo antigo do documentário, My Strange Addiction, ressurgiu online.

Ao todo, 400 indivíduos em todo mundo já foram mapeados com  “objectum-sexualidade”.

Apesar de não prejudicarem ninguém com suas intenções sexuais por objetos, essas pessoas, em todo o mundo, são discriminadas. Labrie contou que após perceber sua “objectum sexualidade, amigos e familiares, começaram a tratar como se ela fosse tivesse distúbios mentais. Tetracampeã mundial em tiro com arco, Labrie explica que suas vitórias são em razão do relacionamento amoroso com seu arco e flecha.

Labrie explicou que o sentimento dos “objectum sexuais” é bem parecido com o da maioria por alguns objetos queridos, mas capaz de desenvolver uma conexão mais profunda. Sobre a associação da sexualidade da esportista com traumas, ela rebate dizendo que sente isso desde a infância. “Eu não percebi que era diferente até a adolescência, quando os outros começaram a namorar e eu tinha sentimentos profundos por uma ponte local”, lembrou em entrevista a sites americanos. 

Para ela, o mundo perfeito é aquele onde todos percebem que a felicidade não tem apenas uma forma, e que não podemos julgar a felicidade de alguém baseados nas próprias experiências.