25 de outubro de 2020
Campo Grande 32º 21º

Evento em Corumbá terá Erasmo Carlos, Paulinho da Viola e Maria Gadú

Tendo como tema “Sinta a arte, viva a Cultura”, a 11ª edição do Festival América do Sul, foi lançada oficialmente na noite desta segunda-feira (31) pelo governador André Puccinelli, no Centro de Convenções Sesc Corumbá, em evento que contou com a participação do prefeito Paulo Duarte, autoridades  civis, militares, convidados e representantes da classe artística. Com shows musicais, dança, teatro, artes plásticas, cinema, literatura, artesanato, palestras e debates, o evento acontece de 30 de abril a 04 de maio, reunindo artistas do Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.

O FAS 2014, que este ano homenageia o escritor modernista e corumbaense, Lobivar Barros de Matos (in memorian) na literatura; o brasileiro Aurélio Miranda, na música e o argentino Horácio Ferrer, também na literatura, terá como palcos a Praça Generoso Ponce, o Moinho Cultural, Sesc Corumbá e o palco Pantanal, na área central da cidade. Na música, o “tremendão” Erasmo Carlos faz show no dia 30 de abril, na abertura do festival. No dia 1º, tem Fundo de Quintal; no dia 02 de maio, Paulinho da Viola; Maria Gadú, no dia 03 e no encerramento, no dia 04, Afroreggae. (Veja vídeo institucional e confira as atrações).

Mais de 500 mil pessoas já participaram das edições do Festival América do Sul, que é a marca da cultura no Estado. “Não tenho dúvidas que o próximo governo também fará da mesma maneira, tendo uma edição cada vez melhor que a do ano anterior”, destacou o governador André Puccinelli ao comentar a importância e dimensão do evento. “A integração da nossa América se faz no sentido cultural, econômico, aliança dos nossos povos, fruto disso é o Mercosul que se cristaliza. É importante que não só nas relações econômico-financeiras nós façamos a integração, mas na relação cultural, gastronômica, literatura, poesias, artes plásticas, enfim, a integração dos nossos povos fará com que a cultura do nosso Estado, do nosso Brasil e dos povos da América do Sul se difunda, inclusive para os outros continentes”, completou ao Diário Corumbaense.

O prefeito de Corumbá, Paulo Duarte, também reforçou a “independência” do Festival que entra em sua 11ª edição. “Se está concluindo um governo e a gente percebe que o festival não pertence mais a governo nenhum, ele passa a ser do Mato Grosso do Sul, logicamente aqui da nossa região de Corumbá e Ladário. Começou em um governo (do ex-governador Zeca do PT), teve prosseguimento nesses oito anos (do governo Puccinelli) e, com certeza terá prosseguimento no próximo. Corumbá é uma cidade que respira arte, cultura, tem um turismo forte e o festival é muito mais do que os shows. A Prefeitura vai dar todo o apoio que o Estado necessitar, pois esse festival é fundamental para nossa cidade”, frisou.

Programação

O presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, Américo Calheiros destacou que o FAS engloba a arte, a cultura da América do Sul, com expoentes, nomes consagrados e possibilita o intercâmbio durante cinco dias de festival nas distintas áreas artísticas. “A cada ano o festival traz coisas interessantes, além dos grandes nomes da música nacional, nós temos nossos artistas regionais, internacionais que enriquecem esse momento cultural”, falou Calheiros.

 “Vamos ter inusitadamente um festival de monólogos, envolvendo três países: Brasil, Bolívia e Paraguai, é a primeira vez que isso está sendo feito; uma grande mostra do cinema da América do Sul, mostra do cinema nacional, duas grandes exposições de artes plásticas, sendo que uma tem a participação de 24 artistas”, ressaltou o presidente da Fundação de Cultura, que tem curadoria compartilhada do evento com o Instituto Cervantes, de São Paulo.

Diário Corumbaense