MS Notícias

segunda, 30 de maro de 2020

Economia

Dólar atinge máxima histórica e chega a 4,40. Entenda os motivos

Por: Congresso em Foco21/02/2020 às 16:05
ComentarCompartilhar
O ministro da Economia, Paulo Guedes.O ministro da Economia, Paulo Guedes.Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Na manhã desta sexta-feira (21), pela primeira vez na história, o dólar chegou a R$ 4,40. Segundo analistas, a disparada da moeda americana é fruto da instabilidade política local, da nova política de juros brasileira e de movimentos do mercado externo, especialmente da China.

Na última semana, o principal fator político que causou instabilidade no mercado foram as trombadas entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente Jair Boslonaro (sem partido). Na terça-feira (18), conforme registrou o Congresso em FocoGuedes chegou a ameaçar deixar o cargo, mas foi demovido da ideia pelos colegas Augusto Heleno (GSI) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo).

Em um primeiro momento, o mercado confiou na retomada do diálogo entre o presidente e o ministro. A tese predominante era de que sendo o avalista do governo diante do mercado, Guedes é imprescindível para Bolsonaro. Na quarta-feira (19), dia seguinte à ameaça de pedido de demissão de Guedes, o Ibovespa operou em alta e o dólar subiu 0,2%, mantendo o mesmo patamar de alta dos dias anteriores.

Já na quinta-feira (20), diante das informações de que Bolsonaro cobrou de Guedes crescimento de 2% do PIB em 2020, a desconfiança voltou a imperar. A cobrança ensejou um movimento de revisão das projeções de crescimento do PIB em 2020. Agentes de mercado que esperavam crescimento superior aos 2% estão agora diminuindo as expectativas, alinhando-as à cobrança do presidente.

Outro fator negativo foram  análises de parlamentares de que as reformas tributária e administrativa terão dificuldades em serem aprovadas ainda em 2020. Na leitura de Vinicus Alves, estrategista da corretora Tullet Prebon Brasil, o atraso da agenda de reformas influencia especialmente o dólar e a curva de juros.

Há elementos que justificam o receio de analistas de mercado e o ceticismo dos congressistas quanto à celeridade da aprovação das reformas. Uma reportagem do UOL mostrou, por exemplo, que o grupo de trabalho do Ministério da Economia que foi criado para estudar o tema não se reúne há três meses, não divulgou nenhum documento sobre sua produção e perdeu o prazo para apresentar o relatório final.

A instabilidade política do país também repele investidores que operam em um cenário externo de incertezas diante da expectativa de que as consequências da epidemia de Corona Vírus derrubem o PIB chinês no primeiro trimestre.

O terceiro fator indicado pelo estrategista da Tullet Prebon vai na mesma linha do que defende o ministro Paulo Guedes: uma das consequências da nova política de juros é a desvalorização do Real frente ao dólar.

Na visão de Guedes, esse movimento de queda da taxa básica de juros e alta do dólar indica que Brasil está entrando num novo modelo, que estimula a recuperação da indústria. “O Brasil era o paraíso dos rentistas. O câmbio baixo desindustrializava o Brasil, que estava pendurado num modelo rentista”, disse o ministro em um evento realizado na semana passada.

Deixe seu Comentário

TV MS

27 de maro de 2020
Isolamento vertical ocasionará genocídio, diz Fábio Trad
Isolamento vertical ocasionará genocídio, diz Fábio Trad

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua referência em jornalismo no Mato Grosso do SulRua José Barnabé de Mesquita, 948
CEP 79100.200 - Vila Duque de Caxias
Campo Grande/MS
 (67) 99309.8172

Editorias

Institucional

Mídias Sociais

© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma