25 de setembro de 2020
Campo Grande 36º 22º

Olimpíadas de 2016 poderão ser transferidas do Rio de Janeiro para Londres

Membros do Comitê Olímpico Internacional (COI) procuraram autoridades de Londres para saber se a cidade poderia assumir mais uma Olimpíada devido aos atrasos na preparação da edição 2016 por parte do Rio de Janeiro. A informação é do jornal London Evening Standard, mas já se espalhou pela mídia britânica, como o The Telegraph. Segundo o jornal – que, vale dizer, é um tabloide – uma consulta “informal” foi feita por dirigentes do COI temerosos dos atrasos no Rio. "Numa fase comparável de planejamento, em 2004 Atenas tinha feito 40% dos preparativos de infraestrutura, estádios e assim por diante. Londres tinha 60%. O Brasil fez 10% - e eles têm apenas dois anos de sobra. Então, o COI está pensando, 'qual é o nosso plano B’?”, teria afirmado uma fonte ao jornal. A mudança, tida na própria reportagem como “improvável”, surge logo após as críticas do vice-presidente do COI, John Coates. Há menos de duas semanas, ele disse que os preparativos do Brasil para os Jogos de 2016 são "os piores" que ele já viu. Na ocasião, no entanto, Coates afirmou que não havia plano B. Um dos organizadores que trabalhou com as Olimpíadas de 2012, Will Glendinning, afirmou ao Evening Standard que Londres teria tempo de se recompor para mais uma edição. Na cidade, porém, vários dos palcos dos últimos jogos já foram transformados em arenas de acesso público. A vila onde ficaram hospedados os atletas, por exemplo, já tem moradores. A questão é saber se a informação que está sendo replicada na imprensa britânica é real ou se aparece apenas para fazer o Rio correr com os preparativos. Em entrevista à Folha de S. Paulo publicada hoje, Michael Payne, que esteve entre os diretores do COI por cerca de duas décadas e hoje é consultor, disse que o comitê vive uma crise. “É, inquestionavelmente, e de longe, a organização mais atrasada entre todas as (Olimpíadas) anteriores. O COI enfrenta atualmente sua pior crise operacional nos últimos 30 anos. Não é uma opinião, é algo comentado e compartilhado por muitas pessoas de dentro da própria entidade”, afirmou Payne. De qualquer forma, vale se restringir à matemática, mesmo que inexata: as fontes do jornal londrino disseram que as chances da mudança acontecer são “infinitamente pequenas” Exame