20 de junho de 2021
Campo Grande 25º 13º

ARTIGO

13 de Maio?

A- A+

Por um bom tempo 13 de maio foi “comemorado” como um dia de libertação dos homens e mulheres negras que até o final do século XIX vivam sob o sistema de escravidão no Brasil. Entretanto, há o que salientar que desde o final da década de 1980, os movimentos negros brasileiros vêm pautando uma grande reflexão sobre os processos das resistências e as lutas das comunidades negras contra o racismo e a falsa ideia de abolição. Bem diferente do que ainda é veiculando pela “História Oficial", a liberdade de homens negros e mulheres negras no Brasil, não foi algo dado "generosamente" pela monarquia brasileira, mas sim um intenso e sistemático processo de luta contra todos os julgo coloniais impostos ao que aqui viviam em sistema de escravidão. E muito menos foi, a abolição, algo pensado que tivesse como pano de fundo uma proposta de "inclusão" social, política e econômica da população negra, que se tornava recém liberta. 

Babalawô Ivanir dos Santos - Foto de Brunno Rodrigues

Por essa razão, pontuamos que o 13 de maio é para nós, homens negros e mulheres negras uma "falsa abolição", pois continuamos presos e associados à escravidão sem nenhum respaldo do Estado brasileiro, que não vê e que não nos coloca na condição de cidadãos. Em “Memórias da Plantação”, afirma que “Só quando se reconfiguram as estruturas de poder é que as muitas identidades marginalizadas podem também, finalmente, reconfigurar a noção de conhecimento” (KILOMBA, 2020:13), tomando essa ideia como um ponto focal para a compreensão do racismo e da intolerância religiosa no Brasil. Endosso-a destacando que, além de ajustar as estruturas sociais, políticas e econômicas, também precisamos reeducar as pessoas que as gerem, pois são nesses e através desse meios que o racismo se fortalece. 

E não podemos perder de vista que falar e escrever sobre a falsa abolição ou abolição inconclusa no Brasil é, em certa medida, ir contra os processos de glorificação de um passado escravista e a negação das realidades de violência cotidiana sobre as populações negras e os adeptos das religiões de matrizes africanas e sobrevivem em situações adversas e de vulnerabilidades. E cá entre os estudos e escritas, nós bem sabemos que a sociedade brasileira vive sobre a exaltação de um passado e de uma história colonial e, ainda hoje, usa todos os artifícios possíveis para marginalizar, invisibilizar e estigmatizar os corpos, culturas e tradições negras.

Declara o Prof. Dr. Babalawô Ivanir dos Santos (PPGHC/ UFRJ/CCIR e CEAP).

O religioso, é militante do movimento negro brasileiro há 40 anos, vem promovendo ações acadêmicas nacionais e internacionais, coordenando e organizando grupos de estudos, publicações acadêmicas, ou seja, construindo um notório caminho. Caminhos com um olhar especial voltados para as pesquisas sobre Liberdade Religiosa, Racismo, Estado Laico e História da África.