22 de setembro de 2020
Campo Grande 27º 18º

Burger King

Acusado de chamar funcionário de macaco foi afastado, afirma restaurante

Caso aconteceu por volta das 4h desta sexta-feira, no Burger King, localizado na Avenida Afonso Pena, região central

A Conforti, franqueada da marca Burger King, informou que o instrutor acusado de chamar funcionário da rede de fast food de burro e macaco foi afastado das suas atividades durante o período de investigação do caso.

O funcionário, de 24 anos, registrou boletim de ocorrência nesta sexta-feira (28). O caso ocorreu por volta das 4h na unidade da Avenida Afonso Pena, e foi registrado como injúria racial na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento) Centro.

Em nota, a empresa afirma que “desde que tomou conhecimento dos fatos está investigando o caso para tomar as medidas cabíveis. O instrutor encontra-se afastado durante o período das investigações”.

Também aponta que a marca “repudia qualquer ato de discriminação, seja ela racial, de gênero, classe social ou qualquer outro tipo. O BK preza pela diversidade e o nosso propósito é fazer com que todos se sintam bem-vindos”.

O funcionário afirma que atendia no balcão quando o instrutor, de 23 anos, passou a reclamar do seu trabalho dizendo que não sabia fazer nada e o chamou de burro e macaco. Procurado, o instrutor admitiu que o chamou a vítima de macaco, mas negou que tenha o chamado de burro.

Ele disse que a confusão iniciou depois de pedir para vítima fazer mais carnes, mas o funcionário passou a fazer mais do que foi solicitado, provocando os xingamentos. O instrutor ainda justificou que “também é preto”.