30 de setembro de 2020
Campo Grande 40º 23º

Mercado de trigo

Coronavírus afeta potencialmente mercado de trigo

O surto global de coronavírus acabou prejudicando a economia mundial ao ponto em que as vendas dos subprodutos de trigo diminuíssem bastante na conclusão da última semana, de acordo com informações divulgadas pela T&F Consultoria Agroeconômica.

Nesse cenário, a T&F aponta que o coronavírus é apenas um dos elementos para essa situação.

"Não há temor de perda de emprego, que é um sinal positivo, mas a economia, que estava começando a se expandir, foi freada com o aparecimento desta doença internacional e toda a economia mundial foi duramente afetada, de tal maneira que a expansão projetada para a economia brasileira ainda não aconteceu plenamente", completa.

Dentre os fatores de alta, estão a escassez de trigo no Brasil e na Argentina "que impulsionou os preços 40% acima da sua cotação em reais desde o início da safra e 32,43% os preços do trigo argentino em dólar" e a alta do dólar, que "subiu aproximadamente 24,93% nos mesmos 6 meses de safra, dos quais 19,93% somente em 2020".

Os fatores de baixa são a falta de repasse da alta do custo da matéria-prima para os preços das farinhas e a retração da economia, que "não consegue deslanchar devido à situação mundial e os impeditivos colocados pelo Congresso e pelo STF ao governo atual", cpmpleta a consultoria.

Além disso, é citado também o "abastecimento dos compradores de farinhas industriais, que fizeram grandes estoques entre dezembro e janeiro e agora ou ficam fora de mercado ou só aceitam preços daquela época, sem os aumentos atuais".

"Como conclusão estimamos que os preços possam permanecer andando de lado ou subir muito pouco nos próximos 45 dias, antes de voltarem a subir com força entre maio até setembro próximo, quando o país viverá praticamente de trigos importados", conclui a T&F.