25 de outubro de 2020
Campo Grande 32º 21º

CPI DA ENERGISA

Instaurada CPI que vai investigar aumento na energia elétrica em MS

Comissão terá 120 dias para concluir apuração

Instaurada Comissão Parlamentar de Inquérito que vai apurar o aumento da energia elétrica em Mato Grosso do Sul. O anúncio foi feito nesta manhã (12), pelo deputado estadual Paulo Corrêa, que disse durante sessão ordinária na Assembleia Legislativa que 23 deputados assinaram documento para abertura da CPI contra possíveis irregularidades praticadas pela empresa responsável por fornecer energia elétrica no Estado, a Energisa.

Um “puxa para lá e para cá”, marcou o início de toda essa movimentação contra a Energisa. Um grupo conhecido como “Energia Cara Não” realiza pressão contra deputados para que esses abrissem a CPI, além do 'Raking do Procon que jogou lenha na fogueira'. Por outro lado, parlamentares alegavam que faltavam fatos para abertura do inquérito, e até disseram que parlamentar responsável pelo documento, o deputado Capitão Contar (PSL), estaria usando a ideia como palanque para se promover, uma vez que o próprio é a “carta” do PSL estadual, liderado pela senadora Soraya Tronicke, para concorrer à Prefeitura de Campo Grande, em 2020. 

A polêmica enfraqueceu o documento, a proposta de abertura foi barrada na Câmara Municipal, na ocasião, “passar o carro à frente dos bois”, isso porquê segundo o presidente da Câmara, a ação dos vereadores figurava inconstitucionalidade, uma vez que a Casa não tinha competência legal para atuar de forma direta em uma Comissão desse porte. Mesmo assim, foi criada uma comissão especial que vai ajudar a investigar as causas, mas que assim que apuradas, serão repassadas aos órgãos competentes. 

A CPI então foi reformulada pelo deputado Felipe Orro (PSDB) que apresentou fato determinado para conseguir o número de assinaturas - no total foram 23 - e a comissão chegou a ser instaurada. 

Agora, os integrantes da Comissão, serão o próprio Orro, Renan Contar e João Henrique Catan (PL) que vão representar outros blocos da Assembleia e Evander Vendramini (PP) que ficou como suplente e ainda falta preencher mais uma vaga para segundo suplente. Depois que o grupo estiver formado, será escolhido oficialmente o relator e o presidente durante reunião. 

Segundo Felipe Orro, provavelmente amanhã (13) terá reunião e, futuramente, todos os envolvidos serão ouvidos, principalmente “funcionários, a empresa e sindicato”, mencionou ao Correio do Estado. 

Segundo os interessados, a comissão não trará gastos, já que o pessoal a ser utilizado já trabalha na Assembleia. “Tem servidores, advogados e técnicos que serão cedidos, não terá custo”, afirmou Paulo Corrêa. 

*Com informações do Correio do Estado.