MS Notícias

domingo, 31 de maio de 2020

OFICINA ÚNICA - MT

Justiça condena coroneis da PM e empresário por fraudes de R$ 522 mil

MPE descobriu uma série de esquema durante a primeira gestão de Maggi em 2004

Por: DIEGO FREDERICI - FOLHA MAX08/05/2020 às 13:45
ComentarCompartilhar
Foto: Reprodução/Divulgação

Um empresário, um político e dois oficiais da Polícia Militar de Mato Grosso foram condenados pelo Poder Judiciário Estadual após a identificação de uma fraude na antiga Oficina Única do Estado (Ofimat). O grupo terá de devolver mais de R$ 522 mil aos cofres públicos e também teve os direitos políticos suspensos por 5 anos.

A decisão é da juíza da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular do Tribunal de Justiça (TJ-MT), Célia Regina Vidotti, e foi proferida na última segunda-feira (4). De acordo com a sentença, a empresa ARP Campos, o empresário Cássio Luiz da Silva, e o tenente-coronel da PM, Paulo Roberto Costa, terão de devolver R$ 205,8 mil.

O valor é referente a pagamentos de notas fiscais duplicadas e também faturamentos de pagamentos indevidos. Já o montante de R$ 316,9 mil, que se referem a notas fiscais que foram forjadas, terá de ser devolvido por Cássio Luiz da Silva, Paulo Roberto Costa, pelo ex-diretor executivo do Fundo Estadual de Segurança Pública (FESP), José Martinho, e também pelo coronel da reserva da PM, Elcio Hardoin.

Todos os valores ainda serão acrescidos de juros moratórios de 1% ao mês e correção monetária pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), desde o efetivo pagamento dos valores ilícitos. Segundo informações do processo, a fraude protagonizada pela Oficina Única marcos os primeiros anos da gestão do ex-governador Blairo Maggi.

A Oficina Única foi um sistema criado para centralizar a prestação de serviços de manutenção e conservação da frota de veículos do Poder Executivo e seguiu um modelo implementado no Estado do Paraná. A Oficina Única de Mato Grosso, porém, acabou se perdendo num escândalo de corrupção, que envolvia pagamentos duplicados de notas fiscais, faturamentos realizados de forma indevida, e mesmo o pagamento de serviços que sequer haviam sido realizados. “A primeira irregularidade consistia no faturamento pela empresa ARP Campos – ME, de peças e serviços, em duplicidade. Assim, o Estado de Mato Grosso, por meio do Fundo Estadual de Segurança Pública – FESP, também pagava as notas em duplicidade”, explica a juíza no processoarrando a fraude.

“As notas fiscais emitidas pela requerida ARP Campos - ME eram confeccionadas em formulários pré-impressos, sendo que em algumas, o número da nota fiscal era lançado manualmente, o que colaborava para a fraude perpetrada”, apontou o magistrado.

A juíza também proibiu que os condenados façam negócios com o Poder Público por 5 anos. Todos eles deverão pagar, ainda, uma multa correspondente a 5% do valor dano que deverá ser restituído.

Fonte: Folha Max

Deixe seu Comentário

TV MS

15 de maio de 2020
Ministério da Cidadania fala sobre auxílio emergencial
Ministério da Cidadania fala sobre auxílio emergencial

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua referência em jornalismo no Mato Grosso do SulRua José Barnabé de Mesquita, 948
CEP 79100.200 - Vila Duque de Caxias
Campo Grande/MS
 (67) 99309.8172

Editorias

Institucional

Mídias Sociais

© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma