01 de dezembro de 2020
Campo Grande 33º 24º

ANTÔNIO JOSÉ PANIAGO

Samba e atividades culturais em escola da Capital valoriza a beleza negra

O objetivo do projeto foi promover a reflexão sobre a diversidade étnico-cultural

Apresentações musicais, dança, roda de capoeira, exposição de trabalhos e um show do grupo Sampri, formado por quatro mulheres que apresentam um repertório de samba e MPB, marcaram, na tarde desta terça-feira (26) o encerramento do projeto “Beleza Negra” da escola municipal “Antônio José Paniago”, que contou com a presença da secretária municipal de Educação, Elza Fernandes e do superintendente de Políticas Educacionais da Reme, Waldir Leonel.

O objetivo do projeto foi promover a reflexão sobre a diversidade étnico-cultural, levando a compreensão de que cada povo possui sua identidade própria, presente nas crenças, costumes, história e organização social.

ntre as diversas atividades realizadas, a arte do grafiteiro Giu Beto, que utilizou uma parede da escola para criar um desenho sobre o tema do projeto e um desfile de alunos vestindo trajes da cultura africana e retratando uma figura histórica que tenha contribuído com a luta pelos direitos civis dos negros, foram alguns dos pontos altos do evento. 

O desenvolvimento do projeto ocorreu de forma interdisciplinar e envolveu alunos de todos os anos. Em Ciências, por exemplo, os professores abordaram as doenças edênicas de origem africana e a leitura e análise de textos que refletem as condições subumanas vivenciadas por muitos negros em nosso país.

Já em Língua Portuguesa, foram feitas pesquisas de palavras de origem africana e produção, utilizando diferentes formas de expressão, de textos individuais e coletivos sobre os debates e as reflexões do assunto, enquanto que em História os professores incentivaram uma reflexão sobre o início do racismo no Brasil e o reconhecimento da herança cultural dos negros.

O projeto segue legislação que orienta o ensino de temas relativos à história dos povos africanos em seu currículo. Além disso, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) estabelecem que a diversidade cultural do país deva ser trabalhada no âmbito escolar.

Para a secretária de Educação, Elza Fernandes, o trabalho contínuo nas unidades garante o reforço da conscientização dos alunos. “É importante que eles entendam sobre o respeito às diferenças e diversidade,

por isso sempre criamos projetos neste sentido”, afirmou.  [WhatsApp Image 2019-11-26 at 17.01.01] A aluna Adria Karine de Barros, 8º ano, contou que se identificou com as atividades propostas pelo projeto. “Gostei de participar de ações que retratam minha cultura. Aprendi que não podemos deixar que faltem com respeito só por causa da etnia”, ensinou.

Para Deise dos Santos Pereira, do 9º ano, que participou do desfile, o projeto valorizou a cultura afro-brasileira. “Foi muito bom porque não somos muito representados no Brasil e participar desses e ventos é ter atitude”, disse.

A professora de Geografia Francilene dos Santos,ressaltou que a ideia foi mostrar a importância de combater a discriminação. “Eles podem alcançar todos os objetivos de vida, e com este projeto aumentamos a autoestima das crianças”, frisou.