30 de outubro de 2020
Campo Grande 24º 18º

INVESTIGAÇÃO

Técnico da Energisa tenta intervir em trabalho de peritos e CPI notifica empresa

O técnico que a Energisa escalou para acompanhar os trabalhos da CPI é Marco Antônio Pinheiro Flores

A CPI da Energisa enviou nesta sexta-feira (12) o Ofício 033/2020, notificando a concessionária para que “abstenha-se de entrar em contato com as entidades envolvidas na realização dos trabalhos de perícia” dos medidores. A notificação foi feita depois que um técnico designado pela Energisa para acompanhar os trabalhos da CPI tentou, reiteradas vezes, fazer contato com os professores da Universidade de São Carlos, apresentando-se como representante da Comissão.

“Essa tentativa de contato é inaceitável, demonstra um total desrespeito tanto à CPI quanto à Universidade, que fará um trabalho isento e não aceita interferência de nenhuma parte”, asseverou o deputado Felipe Orro, presidente da Comissão.

O técnico que a Energisa escalou para acompanhar os trabalhos da CPI é Marco Antônio Pinheiro Flores. Ele se apresentou aos deputados membros da Comissão na última reunião, realizada na terça-feira (10) como “responsável técnico do processo” movido pela Assembleia contra a concessionária, baseado nas milhares de reclamações de consumidores que reclamam de aumentos abusivos em suas contas de luz nos últimos anos.

“Ressalte-se que, chegou ao conhecimento desta CPI que o representante técnico da empresa... entrou em contato com envolvidos nos trabalhos de perícia via whatsapp... contrariando o que foi deliberado em reunião... onde foram instados a não interferirem nos trabalhos a serem realizados pela CPI, sob pena de serem tomadas medidas judiciais cabíveis”, escrevem os membros da CPI no ofício endereçado ao presidente da Energisa, Marcelo Vinhaes Monteiro.

O deputado Felipe Orro disse que na segunda-feira (16) dará mais detalhes do ocorrido, inclusive apresentando provas, em entrevista coletiva à imprensa, às 10h, na Assembleia Legislativa. A Universidade de São Carlos fará perícia em 200 medidores de energia que serão coletados entre os dias 18 e 26 deste mês. Esse é o primeiro ato da CPI em busca de provas de que pode haver irregularidades nos registros de consumo de energia no Estado.