24 de julho de 2024
Campo Grande 31ºC

EDUCAÇÃO SUPERIOR

ADUFMS aceita proposta, quer saída coletiva da greve, mas precisa de aval

Previsão para o retorno das aulas permanece incerta

A- A+

Campo Grande, 21 de junho de 2024 – Em resposta às dúvidas sobre a saída coletiva da greve docente, a Associação dos Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (ADUFMS) esclareceu nesta 6ª.feira (21.jun.24), a posição adotada durante uma live realizada ontem, quinta-feira, 20 de junho.

A decisão da ADUFMS ocorreu em razão de um acordo acatado na Assembleia Geral de terça-feira, 18 de junho, quando os docentes decidiram por ampla maioria aceitar a nova proposta do governo federal e apoiar a saída coletiva da greve. "Nós cobrávamos do governo pelo menos a recomposição do IPCA [Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo] de 3.69 2024, infelizmente não conseguimos avançar nessa pauta, mas nós avançamos em várias outras, como na questão que nós chamamos de 'revogaço', que é revogação de diversas normas dentre elas aquela que suspendeu a promoção e progressão dos professores durante a pandemia, no âmbito dos Institutos Federais a obrigatoriedade da assinatura de ponto pedindo a pesquisa e extensão externa, então tem uma série de garantias que nós conseguimos avançar dentro do governo. Por fim, nós ficamos, 2024 nós tivemos os ajustes nos auxílios: alimentação, saúde complementar e auxílio creche. Em 2025 nós teremos, em primeiro de maio, 9% de recomposição salarial e em 2026, a partir de primeiro de abril de 2026, nós teremos uma recomposição de três e meio por cento”, detalhou a presidente do sindicato Mariuza Guimarães, em live.  

Em nota hoje, a ADUFMS esclareceu que apesar do acordo, a greve não foi oficialmente encerrada. “A associação é apenas uma das seções sindicais que compõem o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN). A aceitação da proposta pelo governo precisa do aval da maioria das entidades sindicais representando os docentes de outras universidades federais”, pontuou. 

A proposta da “saída coletiva”, na prática, significa que a ADUFMS precisa do aval de outros centrais sindicais para por fim a greve, já que não é permitida a saída de uma greve nacional de maneira unilateral. “A ADUFMS aguarda que sua decisão de sair da greve seja ratificada pela maioria das seções sindicais, promovendo assim uma ação conjunta”, anotou. 

A previsão para o retorno das aulas permanece incerta. Após a decisão de sair da greve, o comando de greve, composto por representantes dos professores e estudantes, está trabalhando na elaboração de um plano para a retomada do calendário acadêmico. No entanto, esse processo ainda está em fase de construção.

“As deliberações da ADUFMS são realizadas por meio de votações em assembleias gerais. Na próxima terça-feira, 25 de junho, haverá uma nova Assembleia Geral para definir os próximos passos, a partir das 13h30. A reunião acontecerá na sede da ADUFMS, na Avenida Senador Filinto Müller, 558, em formato híbrido, permitindo a participação de todas as unidades da seção sindical no interior, em locais indicados pelos representantes sindicais. A ADUFMS reafirma seu compromisso com a transparência e a comunicação aberta, mantendo seus membros e a comunidade acadêmica informados sobre as negociações e o status da greve. Novas atualizações serão divulgadas assim que disponíveis”, completou o sindicato em nota.