MS Notícias

quarta, 01 de abril de 2020

PESQUISA

Capital de MS será segunda a infectar mosquito para combater dengue

Método chamado Wolbachia consiste em infectar mosquito com uma bactéria que mata o Aedes aegypti

Por: REDAÇÃO20/03/2020 às 12:14
ComentarCompartilhar
O termo de cooperação foi assinado durante a abertura do “Encontro Estadual de Vigilância em Saúde: integração, vigilância e Atenção Primária”, em Campo Grande (MS).O termo de cooperação foi assinado durante a abertura do “Encontro Estadual de Vigilância em Saúde: integração, vigilância e Atenção Primária”, em Campo Grande (MS).Foto: Banco de imagens

Campo Grande (MS) será o segundo município do País a participar do "Método Wolbachia”, de combate ao mosquito Aedes aegypti. A estratégia inovadora é do Ministério da Saúde e consiste em infectar o inseto com uma bactéria chamada Wolbachia, que reduz a capacidade dele transmitir a dengue, a zika e a chikungunya. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, assinou na segunda-feira (17.março), documento que formaliza a participação.

“A Wolbachia é uma tecnologia do SUS. Os primeiros testes foram realizados em Niterói (RJ) e, após os bons resultados, decidimos expandir para outras regiões de diferentes biomas, como Campo Grande. O Ministério da Saúde tem aportado recursos e mudou sua linha de pesquisa. Agora, as pesquisas financiadas partem dos problemas que afetam a população e o SUS, a exemplo de soluções para doenças como dengue, malária e leishmaniose”, destacou o ministro Luiz Henrique Mandetta.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) é a responsável pelo projeto do World Mosquito Program (WMP) no Brasil - desde a produção de ovos dos insetos até a preparação para liberação nos locais em que ele ocorre. Em Campo Grande, a fundação vai atuar em conjunto com o Laboratório Central (Lacen), que vai receber o ovo do mosquito com a bactéria Wolbachia. Serão realizados envios semanais para que técnicos do Lacen coloquem esses ovos para eclosão. Depois de adultos, esses mosquitos são soltos.

Para apoiar o projeto, cerca de 2.500 profissionais de saúde, entre agentes de endemias e agentes comunitários de saúde, estão sendo capacitados para atuar nas ações de vigilância, incluindo a mobilização da população nesta nova estratégia.

MÉTODO WOLBACHIA

A Wolbachia é uma bactéria intracelular presente em 60% dos insetos da natureza, mas que não está presente no Aedes aegypti. Quando presente no mosquito, ela impede que os vírus da dengue, zika e chikungunya se desenvolvam dentro do inseto, contribuindo para redução destas doenças. Não há modificação genética nem no mosquito, nem na bactéria. Na prática, o método consiste na liberação de Aedes aegypti com a Wolbachia para que se reproduzam com os Aedes aegypti locais e gerem uma nova população destes mosquitos, todos com Wolbachia.

Atualmente, o Método é implementado em 12 países: Austrália, Brasil, México, Colômbia, Indonésia, Vietnã, Sri Lanka, Índia, Fiji, Nova Caledônia, Vanuatu e Kiribati. Os resultados preliminares do World Mosquito Program, responsável pelo método, apontam redução dos casos de dengue no Vietnã, Indonésia e na Austrália, e dos casos de chikungunya em Niterói, no Rio de Janeiro, onde os mosquitos com Wolbachia começaram a ser liberados em larga escala em 2016.

Deixe seu Comentário

TV MS

27 de maro de 2020
Isolamento vertical ocasionará genocídio, diz Fábio Trad
Isolamento vertical ocasionará genocídio, diz Fábio Trad

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua referência em jornalismo no Mato Grosso do SulRua José Barnabé de Mesquita, 948
CEP 79100.200 - Vila Duque de Caxias
Campo Grande/MS
 (67) 99309.8172

Editorias

Institucional

Mídias Sociais

© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma