18 de abril de 2021
Campo Grande 30º 19º

Desacreditados em promessas de Bernal, professores já falam em greve para 2016

Os professores da Reme (Rede Municipal de Ensino) continuam enfrentando verdadeira batalha para receber o reajuste salarial de 13,01% previsto em lei.

Depois de sofrer derrota na Justiça, que 7 de outubro deste ano, desobrigou Prefeitura de Campo Grande a cumprir lei municipal 5.411/2015 que determina adequação do piso municipal ao nacional.

Com retorno do prefeito Alcides Bernal (PP), os professores tiveram reunião com progressista em 26 de agosto. Na ocasião, Bernal se comprometeu a pagar reajuste do piso já que Art. 5 da Lei Federal 11.738 prevê correção do piso nacional anualmente, porém, até esta segunda-feira (16) não havia nenhuma proposta de como pagamento seria feito.

Desacreditados de promessas professores fizeram desabafo em grupos de WhatsApp e discutiram inclusive possibilidade e iniciar ano letivo de 2016 em greve caso Bernal não pague reajuste. Na conversa, enviada ao MS Notícias, os professores deixam claro que não acreditam mais em Bernal dizendo que prefeito quer "minar resistência dos professores e está tripudiando sem dó sobre categoria".

A equipe do MS Notícias conversou com presidente da ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais de Educação), professor Geraldo Gonçalves, a respeito das postagens e da ameaça de greve.

Segundo Geraldo, no momento, a possibilidade está descartada. "O trabalhador sabe que ele tem que lutar pelos seus direitos, mas no caso da ACP tudo é decidido em assembleia e não houve nenhuma conversa em assembleia sobre greve. O prefeito conversou ontem (16) com sindicato e se comprometeu a apresentar proposta do pagamento do piso dia 10 de dezembro.

De acordo com Geraldo, a reunião de segunda-feira (16) aconteceu na prefeitura municipal e contou com presença de Bernal, secretário adjunto da Seplanfic e técnicos da secretaria. Nas ocasião, o prefeito pediu para até dia 10 de dezembro para apresentar plano de pagamento do piso nacional corrigido, que equivale aos 13,01% de reajuste, porém, esse plano vai contemplar apenas a correção de 2015, e embora, ano esteja terminando, Bernal não informou como irá efetuar pagamento de 2016.

"Perguntamos para ele sobre 2016 já que em janeiro entramos em novo ano e piso já deve ser corrigido novamente, mas ele disse que este ano vai resolver problema e 2015 e depois em 2016 vai discutir nova correção do piso", explica Geraldo. Segundo Geraldo, no dia 10 de dezembro haverá reunião da diretoria do sindicato às 10 horas e às 18 horas será realizada assembleia geral para discutir proposta de Bernal. 

 

 

 

Leia também

• Secretário de Bernal deve medir palavras antes de falar do PT, diz presidente do partido

• Audiência entre Bernal e Puccinelli no TJMS é adiada para 2016

• Bernal mesmo se engessa e cava mais um buraco: o do isolamento