01 de outubro de 2020
Campo Grande 41º 24º

Mulheres da Capital agora podem contar com Botão do Pânico para evitar agressões

Está sendo apresentado hoje na Câmara Municipal de Vereadores de Campo Grande o dispositivo do Botão do Pânico para Mulheres Vítimas de Violência. O projeto de lei que determina o uso do dispositivo na Capital foi aprovado ainda em 2013 pela Câmara de Vereadores e sancionado pelo município em março deste ano. O executivo municipal possui até junho deste ano para regulamentar a lei a implantá-la.Serão adquiridos pelo município após a implantação do projeto kits do Botão do Pânico. Segundo a vereadora Rose Modesto (PSDB) autora do projeto de lei, a princípio, o dispositivo será entregue a mulheres que estão sob medida protetiva devido às graves agressões físicas. A seleção ficará a cargo da Vara de Violência Doméstica que irá estabelecer dentro das vítimas assistidas pela medida aquelas que se enquadram em condições maiores de risco de novas agressões. A coordenadora do INTP (Instituto Nacional de Tecnologia Preventiva) de Vitória, no Espírito Santo, Franceline de Aguilar Pereira explica como irá funcionar o Botão do Pânico, a empresa é uma das fabricantes do dispositivo. "A mulher que se sentir ameaçada deve apertar o botão quatro vezes e será enviado um sinal para os smartphones das viaturas da Guarda Municipal que irá até o local." Hoje, o Botão do Pânico é utilizado nos estados de São Paulo, Paraná, Bahia e Espírito Santo. Em Campo Grande, segundo o projeto, serão adquiridos os aparelhos e mais os smartphones que serão utilizados pelos guardas municipais, nas viaturas destinadas ao projeto. Os dados emitidos pelo Botão do Pânico, como áudio e imagens do momento da agressão, serão transmitidos para uma central de monitoramento e para os smartphones para que os guardas municipais se desloquem até o local e prestem socorro à vítima. O custeio do projeto será divido entre prefeitura municipal e o INTP. Segundo a coordenadora do instituto, até 500 exemplares, os dispositivos do Botão do Pânico e os smartphones serão custeados pelo INTP, além da implantação da Central de Monitoramento. O município irá apenas arcar com a mensalidade de R$ 115,00 por cada Botão do Pânico, para manutenção e suporte operacional do aparelho e da central de monitoramento.Para a vereadora Rose, o Botão do Pânico é mais uma opção de combate à violência contra mulher, pois além de evitar um abuso ou agressão, também é uma forma de coibir a violência. "É mais um elemento para ajudar no combate à violência domestica, mas claro que não é somente isso que irá resolver o problema, mas é um projeto positivo para avançar no combate e prevenção porque quando o agressor sabe que a vítima tem esse aparelho, ele repensa sua ação", diz a vereadora. Atualmente, segundo dados da Polícia Civil, existem em Campo Grande três mil mulheres sob medida preventiva. Apenas em 2014, 300 mulheres passaram a ser atendidas pela medida. Heloísa Lazarini e Tayná Biazus *Matéria editada às 12h17 para acréscimo de informação