06 de agosto de 2020
Campo Grande 31º 17º

Omertà

Jamil Name e Jamilsinho foram indiciados pela execução do "Playboy da Mansão"

Entre os acusados, os ex-guardas municipais Marcelo Rios e Rafael Antunes Vieira e o policial federal Everaldo Monteiro de Assis, todos estão presos

A força tarefa da Operação Omertà concluir o inquérito sobre a execução de Marcel Costa Hernandes Colombo, de 31 anos, que ficou conhecido como o “Playboy da Mansão”. Foram Um ano e nove meses de investigações, e sete pessoas foram indiciadas, entre elas, Jamil Name e Jamil Name Filho apontados como líderes da milícia armada que agia em Mato Grosso do Sul.

Segundo informações do Diário Digital, estão entre os acusados, os ex-guardas municipais Marcelo Rios e Rafael Antunes Vieira e o policial federal Everaldo Monteiro de Assis, todos estão presos. OS dois pistoleiros que eram os executores da organização criminosa estão foragidos. Juanil Miranda dos Santos e José Moreira Freires, também foram acusados pela morte do Playboy.

Jamil e o filho, assim como os outros acusados, já respondem na justiça pela execução por engano do estudante Matheus Coutinho Xavier, que morreu no lugar do pai, o capitão reformado da Polícia Militar, Paulo Roberto Teixeira Xavier, em abril de 2019. 

O Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros), informou que a investigação contou com intensa troca de informações com o Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) para identificar entre os envolvidos, os mandantes, intermediários e executores.

O crime

Marcel foi assassinado pelas costas, a tiros de pistola 9 mm, enquanto bebia com amigos em um bar de Campo Grande. O crime ocorreu no dia 18 de outubro de 2018. Imagens das câmeras de segurança, mostram que  o atirador desceu de uma motocicleta e disparou pelo menos duas vezes contra a vítima, sentada perto da calçada. O motivo da execução, seria uma desavença com Jamil Name Filho por causa de briga ocorrida em uma boate anos antes.