25 de novembro de 2020
Campo Grande 34º 23º

ACUSAÇÕES

AGU quer entregar só a parte do vídeo em que Moro fala

Após pedir para o ministro do STF rever solicitação, AGU quer recortar peça só da parte do Moro

A Advocacia-Geral da União (AGU) apresentou novo pedido ao ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF), pela "reconsideração" de decisão que obrigou o Planalto a apresentar a gravação da reunião ministerial ocorrida no dia 22 de abril. Dessa vez, para ser apresentada apenas a parte em que o ex-ministro da Justiça Sergio Moro aparece.

“Em complementação à petição anteriormente aviada, rogar seja também avaliada a possibilidade de reconsiderar a ordem de entrega de cópia de eventuais registros audiovisuais de reunião presidencial ocorrida no dia 22 de abril de 2020, para que se restrinja apenas e tão-somente a eventuais elementos que sejam objeto do presente inquérito”, disse a AGU. 

Ontem, a AGU enviou um pedido de reconsideração ao ministro para que o governo não fosse obrigado a apresentar o vídeo. O governo alega que na reunião foram tratados ‘assuntos potencialmente sensíveis e reservados de Estado’. A gravação da reunião está sob posse do chefe da Secretaria Especial de Comunicação (Secom), Fabio Wajngarten.  Na terça-feira (5), o ministro havia dado 72 horas para o governo entregar gravações de uma reunião ocorrida entre o presidente e seus ministros, antevéspera da saída de Moro do Ministério da Justiça.

Em depoimento à Polícia Federal, o ex-ministro Sergio Moro relatou à Polícia Federal que Bolsonaro anunciou, durante o encontro com o seu primeiro escalão de governo, que iria ‘interferir em todos os ministérios‘ e que, caso não conseguisse trocar o comando da Polícia Federal no Rio de Janeiro, ele trocaria o diretor-geral da corporação e o próprio ministro da Justiça.

Fonte: CNN Brasil.