27 de fevereiro de 2021
Campo Grande 32º 22º

Anfer vence licitação e vai receber R$ 8 milhões para duplicação da Euler de Azevedo

Leia também

• Nelsinho é acusado de improbidade administrativa por autorizar contrução irregular de aterro

• TCE dará contribuições técnicas ao trabalho de investigação do MPE sobre “Lama Asfáltica”

• João Amorim depõe na Lama Asfáltica e tem prisão decretada

• Bernal dá 10 dias para Solurb comprovar capital de R$ 53 milhões e evitar suspensão do contrato

O governo de Mato Grosso do Sul publicou nesta terça-feira (29) no Diário Oficial resultado da concorrência 041/2015 que prevê contratação de empresa para execução de obras na rodovia MS-080.

Depois de meses de atraso e da desabilitação da vencedora, empresa Weiler Construção Civil, do Paraná, a Anfer Construções e Comércio Ltda venceu certame e vai faturar R$ 8.610.105,70 milhões para execução do primeiro lote da obra.

Conforme edital, a primeira fase compreende duplicação de 2,5 quilômetros da Avenida Euler de Azevedo, trecho localizado entre Avenida Presidente Vargas e Anel Rodoviário de Campo Grande.

A licitação, lançada em julho deste ano, foi marcada por impasses e atrasos que tiveram início com desclassificação da empresa paranaense. Posteriormente, o governo levou quase quatro meses para analisar propostas das empresas Anfer e da Construtora Industrial São Luiz S/A, que voltaram à disputa após recurso.

Denúncias do MPF 

A Anfer é de propriedade de Antonio Fernando de Araújo Garcia, que também é dono da Financial, empresa que integra consórcio CG Solurb. Em janeiro deste ano, o Ministério Público Federal (MPF) com base em relatórios da Controladoria Geral da União (CGU) moveu ação contra ex-prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PTB), por improbidade administrativa por favorecer Anfer na licitação para contratação de empresa para construir aterro sanitário Dom Antonio Barbosa I.

Segundo MPF, houve, por parte da Prefeitura de Campo Grande, favorecimento a empresa uma vez que ela descumpriu itens do edital, como apresentação de profissional técnico responsável pela obra, e mesmo assim venceu licitação. O prejuízo estimado pelo MPF é de R$ 193. 268,93 mil. Além de Nelsinho, o ex-secretário de obras João Antonio de Marco, Fernando Garcia, dono da Anfer, e mais cinco pessoas são acusados.