22 de junho de 2021
Campo Grande 28º 16º

Rombo

GISA: erro de Nelsinho que sangrará a prefeitura em R$ 8,2 mi hoje

Prefeitura terá que devolver R$ 8,2 mi por erros e irregularidades cometidos por Nelsinho e Mandetta na implantação do Gisa

A- A+

Por determinação do Ministério da Saúde, a prefeitura da Capital terá que devolver hoje R$ 8,2 milhões aos cofres públicos, usados na contratação do GISA, sistema de agendamento de consultas contratado pelo então secretário municipal de saúde Luiz Henrique Mandetta (atual deputado federal pelo DEM), autorizado pelo então prefeito Nelson Trad Filho (PMDB). O sistema nunca funcionou de forma satisfatória.

O contrato foi rescindido em janeiro deste ano, após apuração das irregularidades pela CGU (Controladoria Geral da União). O prefeito Gilmar Olare (PP), anteriormente havia informado que iria acionar a Justiça para não devolver a verba. Porém, o prazo do Ministério da Saúde para devolução do recurso termina hoje e o processo deverá ser encaminhado ao TCU (Tribunal de Conas da União). Com isso, a prefeitura será obrigada a realizar o ressarcimento do valor.

Com imensas dificuldades em cumprir as obrigações financeiras, com atrasos de repasses de verbas de diversos contratos, sem investir no básico, descumprindo acordos preestabelecidos como o do reajuste dos professores, a prefeitura de Campo Grande não tem esse valor em caixa para cumprir a determinação judicial e não terá como conseguir este valor no orçamento deste ano. Os desmandos da administração peemedebista de Nelsinho Trad colocam em risco a já deteriorada governabilidade mantida pelo atual prefeito Gilmar Olarte.

Em dezembro de 2014, o MPE (Ministério Público Estadual) resolveu por arquivar as denúncias de improbidade administrativa contra o ex-prefeito de Campo Grande Nelsinho Trad e contra o ex-secretário Luiz Henrique Mandetta que haviam sido apresentadas pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Saúde da Assembleia Legislativa. A denúncia pedia a apuração "de prática improbidade administrativa exposta no Relatório Final da Comissão Parlamentar de Inquérito da Saúde”.

A CPI foi presidida pelo deputado estadual Amarildo Cruz (PT) e foi responsável por diversas denúncias na área da saúde, em especial em relação ao Gisa, sistema de agendamento de consultas por telefone, contratado pelo município de Campo Grande, em 2008, sob gestão do ex-prefeito Nelsinho Trad (PMDB). Segundo o relatório, o sistema custou quase R$ 10 milhões e nunca saiu do papel.