06 de maro de 2021
Campo Grande 28º 19º

PGJ nega problemas com Marcos Alex e promotor fica no Gaeco até conclusão de investigações

Leia também

• Autor da denúncia que originou Coffee Break diz que operação 'é maquiagem arquitetada por Bernal'

• Mario Cesar critica Gaeco ‘Marcos Alex age como advogado de Bernal’

• Carlinhos Pereira ocupa tribuna na próxima terça-feira para denunciar “manobra" na Coffee Break

O Procurador Geral de Justiça de Mato Grosso do Sul, em exercício, Paulo Cezar dos Passos, confirmou a saída do promotor Marcos Alex Vera de Oliveira da coordenação do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco). Porém, Passos afirmou que Marcos Alex vai deixar Gaeco apenas depois da conclusão das investigações da Coffee Break. 

Segundo Procurador Geral em exercício, novas investigações referentes à Coffee Break devem ser realizadas após retorno de Marcos Alex dia 7 de janeiro com fim do recesso. O promotor quando entregou relatório preliminar da Coffee Break à PGJ havia antecipado possibilidade de novas investigações para esclarecer novos fatos que surgiram durante andamento da operação.

A Coffee Break foi deflagrada para apurar se houve esquema de compra de votos de vereadores da Capital para cassar mandato do prefeito Alcides Bernal (PP) em 2014. Segundo relatório (clique aqui), além dos empresários João Amorim, dono da Proteco Construções, João Baird, dono da Itel Informática, Fábio Portela e Raimundo Nonato, mais 13 vereadores estariam envolvidos no esquema. 

De acordo com Passos, não há nenhuma divergência entre Marcos Alex e Procurador Geral de Justiça, Humberto de Matos Brittes, como havia sido veiculado. “Qualquer informação diferente foi divulgada de forma desconcertada no intuito de atrapalhar os trabalhos, são muitas informações desencontradas na tentativa de enfraquecer o Ministério Público, e isso só prejudica a sociedade e favorece pessoas que estão envolvidas em ações com intuito de lesionar os cofres públicos", disse Passos.

Ainda segundo Procurador Geral em exercício, não há nome definido para substituir Marcos Alex, que segundo Passos, já havia solicitado saída da coordenação do Gaeco por motivos familiares. Porém, já se sabe que futuro coordenador do Gaeco não vai atuar nas investigações. “Não está definido quem substituirá Marcos Alex quando ele sair, mas quem for o coordenador do Gaeco não atuará nas investigações, apenas fará trabalho de análises para não acumular funções".

A declaração do procurador foi concedida durante coletiva de imprensa convocada após terem sido amplamente divulgadas informações sobre motivos do afastamento de Marcos Alex do Gaeco. Foram divulgadas diversas hipóteses sobre reais motivos que levariam Marcos Alex a deixa Gaeco. Entre elas, possível descoberta por parte do promotor acerca de supostas irregularidades praticadas pela empresa do irmão do Procurador Geral de Justiça, Humberto Matos Brittes e supostas divergência e discussões entre ambos. 

Vazamento de informações

Em relação ao vazamento de informações do relatório, que foram divulgadas por emissora de televisão local um dia depois da entrega do documento à PGJ, o Procurador Paulo dos Passos diz não haver motivos para investigar conduta do Gaeco. "Não tenho nenhuma situação que faça com que a conduta de Marcos Alex seja investigada. Nada que indique irregularidade, entendemos que existem muitas informações deturpadas na tentativa de atrapalhar as investigações".