20 de abril de 2021
Campo Grande 32º 19º

Preso pela PF, Delcídio teria oferecido R$ 50 mil por mês à familía de Cerveró para evitar delação

O senador Delcídio do Amaral, preso na manhã desta quarta-feira (25) pela Polícia Federal é suspeito de oferecer fuga ao ex-diretor internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, alvo da Operação lava Jato.

Segundo ministro Gilmar Mendes, que conversou com imprensa sobre prisão do senador Delcídio, a autorização para prender senador foi concedida pelo ministro Teori Zavascki, que antes de tomar decisão consultou todos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Delcídio foi preso temporariamente, já chefe de gabinete do senador teve decretada prisão preventiva.

Segundo ministro Teori Zavascki, a prisão foi autorizada com abse em documentos apresentados pela PGR (Procuradoria Geral da República) que dão conta que Delcídio teria oferecido R$ 50 mil por mês para família de Cerveró em troca do silêncio do ex-diretor da Petrobras.

O senador também teria articulado com advogado Edison Ribeiro fuga de Cerveró para Espanha. Segundo informações da PGR, Delcídio teria indicado ao advogado que Cerveró deveria fugir pelo Paraguai e não pela Venezuela. A PGR apurou que Edison Ribeiro teria recebido pagamento de R$ 4 milhões em honorários. 

 

 

Leia também

• Suspeito de atrapalhar Lava Jato, senador Delcídio é preso pela Polícia Federal

• Presidente do PT em MS se diz surpreso com prisão de Delcídio em Brasília

• Delcídio, suspeito de oferecer fuga a Cerveró, chega à sede PF para prestar depoimento