23 de outubro de 2020
Campo Grande 33º 22º

EDUCAÇÃO SUPERIOR

Reitor indicado por Bolsonaro retira o ENEM como porta de entrada para UFMS

A UFMS se encarregou apenas de culpar "a pandemia"

Enquanto as Universidades Federais de outros estados estão revendo o calendário acadêmico devido ao adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul caminhou na contramão. Em decisão tomada no dia 9 desse mês e tornada pública nesta 5ª-feira (15.out.2020) o Conselho de Graduação da UFMS acabou excluindo milhares de estudantes que poderiam fazer parte da universidade em 2021. A UFMS decidiu que irá destinar "0% das vagas da universidade ao Sistema de Seleção Unificada (SiSU) de 2021".  A previsão é de início das aulas em 15 de março até 4 de dezembro de 2021. 

O presidente Jair Bolsonaro, nomeou o professor doutor Marcelo Turine como reitor da UFMS para o mandato de 2020 a 2024. A decisão de nomeação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) da 4ª-feira (23.set.2020). Pouco mais de 1 mês depois, Turine iniciou o desmanche das oportunidades às pessoas que tinham como único caminho o Enem para ingressar ao ensino superior.  

O Enem é uma prova realizada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), autarquia vinculada ao Ministério da Educação do Brasil, e foi criada em 1998. É tambem a porta de entrada de milhares de estudantes e facilita o acesso às Universidades Federais e a inclusão social. Por meio do programa o aluno de classe baixa poderia participar de diversos processos seletivos, sem precisar ter despesas extras e sem o deslocamento de sua residência. 

"Neste momento de pandemia, a UFMS age arbitrariamente não pensando em cada uma das pessoas que não poderiam nem se quer fazer a prova, tanto pela distância, quanto pelas condições financeiras e de saúde”, lamentam alunos.

A UFMS se encarregou apenas de culpar "a pandemia" pela ação tomada. O posicionamento da instituição foi enviada por meio de nota. Veja abaixo: 

"Desde o início da pandemia mundial da Covid-19, a UFMS é uma das únicas instituições federais que cumprirá sua missão de finalizar as aulas do segundo semestre dentro do ano de 2020, contribuindo para a formatura de milhares de estudantes em 2020, jovens preparados para atuar nas residências, nas empresas, nos concursos públicos e em salas de aula em MS e no Brasil. Com o adiamento das provas do ENEM e liberação dos resultados pelo SISU em 2021, muitas universidades, assim como a UFMS, estão, EMERGENCIALMENTE, encontrando alternativas para que os 22 mil estudantes matriculados não fiquem prejudicados. A adoção do SISU para o primeiro semestre de 2021 acarretará início do semestre letivo somente em junho/2021, atraso ou inexistência de formaturas e prejuízo a “normalidade” conquistada por todos estudantes, professores e técnicos da UFMS em 2020. Por tal motivo, foi aprovado em caráter de excepcionalidade, em decorrência da pandemia da Covid-19, pelo Conselho de Graduação a oferta de 80% de vagas para o Vestibular e 20% de vagas para o Programa de Avaliação Seriada Seletiva (PASSE). A equipe técnica da UFMS reforça que o SISU poderá ser utilizado para os cursos com entrada no segundo semestre de 2021, caso haja tempo hábil e sem prejuízo ao calendário acadêmico. A UFMS está de portas abertas aos estudantes de todo Brasil e do MS, que podem ingressar mediante vestibular ou Passe, com editais públicos nos moldes de várias universidades brasileiras, como USP, UFPR, UnB e UNICAMP, e de modo a evitar prejuízos aos estudantes de todo o país, em datas de provas que não coincidem com o ENEM (presencial e digital) e demais provas nacionais."