06 de dezembro de 2021
Campo Grande 34º 23º

Reunião termina sem acordo e vereadora critica secretário por 'demissões de cunho político'

A- A+

A reunião entre vereadores, secretária de assistência social, Marcela Rodrigues e secretário municipal de governo, Paulo Pedra, terminou sem nenhuma resolução e com novas polêmicas.

Enquanto a secretária Marcela mudou discurso e disse hoje aos vereadores que demissões foram exclusivamente para valorizar funcionários efetivos, técnicos, e negou qualquer cunho político, ao contrário do que disse na quinta-feira (5) ao MS Notícias (leia aqui), Pedra, segundo vereadora Thais Helena (PT) deixou claro que demissões foram políticas.

"Tudo que secretária falou, o Pedra desdisse. A secretária disse que não tinha nada a ver com política, mas o Pedra deixou muito claro que é questão política e que outras demissões virão", disse a vereadora. 

Pouco antes de entrar para reunião, secretária de assistência social, afirmou ao MS Notícias, que estava apenas defendendo sua profissão. "Eu sou assistente social, estou defendendo minha profissão, as demissões são livre exoneração assim como serão contratação e vamos valorizar os efetivos, queremos dar prioridade aos concursados".

Novas contratações 

Dos 16 cargos de coordenadores de Cras abertos com exonerações, nove serão preenchidos por assistentes sociais concursados que atuam em outros setores da Prefeitura de Campo Grande, As outras sete vagas serão preenchidas por convocados. 

Para assistentes sociais que esperam desde 2014 convocação após aprovação em concurso público, a medida pode ser benéfica desde que vagas sejam inteiramente preenchidas por concursados.

"Faço parte da Comissão das Assistentes Sociais do Concurso de 2013, queremos ser chamadas para atuar na nossa área e precisamos de explicações. Em 2014, o MPE (Ministério Público Estadual) abriu inquérito para investigar contratações irregulares de assistentes sociais. Hoje, sabemos por cima que apenas 20% dos funcionários da SAS", diz assistente social Solange Andreoti, 34 anos. Além de Solange, mais 123 assistentes sociais fazem parte da comissão.