14 de abril de 2021
Campo Grande 33º 22º

Vereadores condenam vazamento de relatório e dizem que Bernal teve motivo para ser cassado

Na sessão desta quinta-feira (10) na Câmara Municipal de Campo Grande, vereadores condenaram o vazamento do relatório feito pelo Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) sobre o suposto esquema para cassação do prefeito Alcides Bernal (PP). 

O vereador Paulo Siufi (PMDB) se manifestou dizendo que espera que a justiça seja feita com responsabilidade, e julga lamentável esse vazamento de informações “é  lamentável uma situação dessas, esse vazamento coloca em duvida algumas coisas com relação à Justiça, mesmo assim estou confiante, algumas coisas foram exageradas como a condução coercitiva. Não tenho nada a esconder nem nada a temer, foi terrível esse vazamento, mas espero que a justiça seja feita e que atue com responsabilidade”, comenta Siufi.

Outro vereador que se manifestou foi Eduardo Romero (PT do B). Ele disse que não recebeu notificação, mas vai aguardar, já que sua consciência não o condena. “Eu não sei se esse relatório é oficial, vou esperar uma notificação, votei pela cassação, existiam provas e tudo foi feito dentro da lei, meu nome foi apenas citado, estou com a consciência tranquila”. 

Vereadores disseram que a cassação aconteceu por vários motivos e que a decisão foi justa, Édson Shimabukuro (PTB) também disse estar com a consciência tranquila. "Tenho certeza do meu comportamento e não temo em nada, na época houve embasamento para a decisão da casa. Estou aguardando informações, mas estou com minha consciência tranquila".

Mário Cesar (PMDB), que na época da cassação era presidente da Câmara Municipal, disse que a situação da cassação de Alcides Bernal foi legítima e pública, e o que está acontecendo um pré-julgamento da situação. “Não tive acesso às informações, não posso opinar, é uma situação difícil, pois existe um pré-julgamento, deixa a instabilidade política ainda maior, mas estou tranquilo a decisão da cassação foi legítima e pública, não foi nada que tiramos da nossa cabeça", diz Mario Cesar

Como presidente da Comissão de Ética, Alex do PT não vê problemas em João Rocha (PSDB) ser citado no relatório do Gaeco. “Não vejo problemas, é uma situação que está em fase de investigação e temos que esperar a decisão da Justiça. Não posso condenar os colegas, todos tem ampla defesa, mas é complicado a imprensa ter acesso antes, informações serem vazadas, isso tira a credibilidade”.

Alex que agora é presidente da Comissão de Ética e passou de líder de Bernal para desafeto político, adota o discurso da cautela. "Eu sempre questionei a cassação e não concordei, pois não vi motivos e continuo acreditando nisso. Agora quanto à conduta e situação dos colegas não posso opinar, não sou policial, sou vereador, não vou condenar nem opinar, nós enquanto parte da Comissão de Ética vamos agir sempre dentro da legalidade respeitando o direito de ampla defesa e sem pré-julgamentos", diz Alex.

Saraiva critica vazamento e dispara " quem é o criminoso está na prefeitura"

Com o vazamento do relatório divulgado por uma emissora de TV, o vereador Airton Saraiva (DEM), disse que não tem conhecimento do documento e que não foi um dos mentores e articuladores da cassação de Bernal. "Papel aceita tudo, quero ver ter prova, não estou preocupado com isso, cumprimos nosso dever, foi um julgamento legítimo, quem é o criminoso é ele, e está na Prefeitura, fico surpreso, um veículo ser privilegiado, mas a justiça será feita e vamos provar que a verdade prevalecera".

Leia também

• Coffee Break: Gaeco finaliza relatório nesta sexta e entrega ao Procurador Geral da Justiça

• Testemunhas de Coffee Break podem responder por associação criminosa, aponta Gaeco

• Relatório do Gaeco aponta envolvimento de 13 vereadores em suposto esquema para cassar Bernal