18 de outubro de 2021
Campo Grande 23º 17º

ARTIGO | ESPORTES

Prognóstico imediato ou de longo prazo?

Covid-19 mais uma vez nos preocupa muito e mais uma vez destaca as diferenças entre o poder do velho continente e a nossa América

A- A+

Embora de muito menos relevância, o futebol sofre com as desigualdades entre as seleções.

O prognostico das eliminatórias na Europa já começaram e isso pode marcar o início para aumentar a grande distância que existe entre as confederações europeias de futebol e as confederações sul-americanas ou africanas, por exemplo.

Nossas eliminatórias tiveram que suspender seus jogos devido à pandemia. Foi assim que jogadores que atuam na Inglaterra, para citar o caso mais proeminente, não puderam viajar aos respectivos países (a Seleção Brasileira é tem a maior quantidade de  jogadores de seleção nacional naquela liga) para enfrentar a respectiva rodada sul-americana. Isso se deve ao fato de que teriam que cumprir dez dias de quarentena ao retornar, então os times da Premier League acertadamente rejeitaram essa possibilidade e solicitaram o adiamento dos jogos dos times sul-americanos.

Se levarmos em conta nossa situação atual, não há dúvida que devemos nos colocar algumas perguntas:

Como nossas eliminatórias podem continuar em um contexto tão desfavorável?

Isso não aumenta ainda mais a diferença a favor das seleções europeias na preparação?

Que medidas ou requisitos a CONMEBOL poderia apresentar para manter suas competições em andamento?

Os números são claros, desde o início da pandemia, o Brasil jogou quatro vezes, a França, campeã do mundo, disputou oito partidas. Bélgica, líder do ranking mundial, também disputou oito jogos. Falamos das três principais seleções ranqueadas pela Fifa neste momento.

Não se discute a paralisação das eliminatórias. Os dez países da América do Sul impõem risco no retorno à Europa. Os clubes da Europa reclamam também dos jogadores que atuarão por suas seleções europeias. No entanto, essa situação em nível global atinge com muito mais força as seleções sul-americanas. Mostrando mais uma vez que este continente é quem coloca os craques em suas ligas e quem dita às regras, é claro, o poder econômico é importante.

Resta saber também como será pensado o calendário em meados do ano, levando-se em conta que também deve ser disputada a Copa América, suspensa no ano anterior por causa do covid19.

A Copa do Mundo não está ameaçada como a Olimpíada, mas a situação não é confortável. As eliminatórias europeias começaram esta semana junto com as eliminatórias da Copa da África e a América do Sul está dividida entre a escalada de infecções e mortes em nosso país e as restrições de países irmãos que estão fechando suas fronteiras novamente.

Será uma questão de esperar e ser cauteloso diante de um panorama esportivo, no caso de nosso querido futebol, para saber com certeza como esse problema vai evoluir, pois já faz parte do dia a dia de qualquer uma de nossas áreas da vida.