19 de maio de 2024
Campo Grande 18ºC

AÇÃO DA PMMS

Capitão do Choque mata Júlio com um tiro no peito

Morte aconteceu numa casa no Bairro Portal Caiobá II, em Campo Grande

A- A+

Júlio Cesar de Souza Marques, de 26 anos, foi morto às 21h30 da 5ª.feira (10.nov.22) dentro de uma casa na Rua Francisco Antônio de Souza, no Bairro Portal Caiobá II, em Campo Grande (MS).

Segundo o registro, Júlio foi atingido por um tiro no peito, de calibre .40, disparado por um Capitão do Batalhão de Choque da Polícia Militar (BPChoque).

Conforme relato, a PM teria ido ao imóvel cumprir uma ordem judicial de mandado de prisão em desfavor de Júlio. Chegando à casa, a equipe policial teria invadido, momento em que Júlio tentou fugir. Encurralado, Júlio supostamente teria sacado a arma e Capitão o teria alvejado.

Os policiais teriam resgatado Júlio até o Hospital Regional, porém, Júlio não resistiu ao ferimento fatal.

Na casa, a equipe da Perícia Científica, chefiada pelo perito Alexandre Fontoura, disse que visualizou que no corredor lateral havia sangue e uma arma de fogo do tipo revólver, oxidado, de tamanho pequeno. A perícia, então, acolheu uma explicação do Capitão do Choque de que o revólver seria o que Júlio usou para reagir.

“Também foi localizado próximo ao local onde Júlio foi alvejado, um estojo de munição calibre .40, percutido e deflagrado, o qual o Capitão alegou ser o disparo por ele efetuado”, consta em registro.

Outro Capitão, da viatura Rotac 01, teria sido o responsável por recolher a arma do Capitão do Choque e teria apresentado a mesma ao perito, não a levando à Delegacia de Pronto Atendimento do Centro (Depac).

De acordo com o perito Alexandre, foram recolhidos um revólver, 4 munições intactas e um estojo percutido e deflagrado. Além disso, o perito teria recolhido um estojo percutido e deflagrado calibre .40; duas munições calibre .38 intactas e uma pistola da marca Taurus, modelo PT 100, calibre .40, com carregador e munições, de carga da PMMS.

O caso foi registrado como homicídio decorrente de oposição a intervenção policial e posse irregular de arma de fogo de uso permitido.