13 de junho de 2021
Campo Grande 25º 11º

CRIME

Comparsa de matar adolescente se entrega à polícia em Três Lagoas

O menor disse estar arrependido "Estudei com a Maísa" ainda segundo ele o tiro foi acidental

A- A+

Acusado de ser comparsa do adolescente que assassinou Maisa Martins, de 13 anos, com um tiro na cabeça durante uma tentativa de assalto em Três Lagoas, José Leandro Carvalho, 18, se entregou a polícia ontem na companhia de seu advogado e seus pais.

De acordo com o Setor de Investigações Gerais (SIG), José que era considerado foragido se entregou e afirmou que estava escondido de acordo com o site Rádio Caçula, na casa dos pais no condomínio Novo Oeste.

NOME FALSO

A falsa "Patrícia" está presa no presídio feminino, "falsa" pois, de acordo com o SIG, investigações constataram que na verdade esse não seria seu nome verdadeiro, ela utilizava documento falso porque era procurada pela justiça, com a prisão foi possível desmascarar e agora responderá por falsificação ideológica, além do crime de tráfico de droga. 'Patrícia' deu cobertura para José Leandro e segundo informações, seriam namorados. 

MS Notícias ocultou o nome completo do Registro Geral utilizado pela criminosa, pois a dona do documento entrou em contato com o site dizendo que estava sendo prejudicada, pois de acordo com ela, havia perdido o documento, que encontrado pela criminosa acabou sendo usado para práticas de crimes. 

O CASO

Policiais tentaram localizar e prender o acusado em uma residência localizada na Rua Vicente Leão, bairro Vila Carioca onde possivelmente o foragido poderia estar escondido, mas não foi localizado. No local uma mulher de 27 anos foi detida, oito porções de maconha e uma balança de precisão foram apreendidos.

Além de documentos pessoais em nome do comparsa envolvido na morte da garota e o relógio roubado no dia do crime que estava dentro da pia na residência. A mulher identificada como Patrícia disse que é dona de casa e chegou de Campo Grande/MS há três dias e teria alugado o imóvel no valor de R$350,00 reais para dormir e não conhecia ninguém na cidade.

Na delegacia da Polícia Civil o menor disse estar arrependido “Estudei com a Maísa” ainda segundo ele o tiro foi acidental, pois não queria matar ninguém apenas roubar os pertences de valor.

Texto de Dany Nascimento.