16 de setembro de 2021
Campo Grande 32º 20º

AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA

Cunhados presos com 260 kg de dinamite que poderia ter explodido bairro inteiro, ganham liberdade 

Ambos eram réus primários. Escondiam artefados roubados há 4 anos da Pedreira São Luiz, no Jardim Aeroporto, em Campo Grande

A- A+

O cunhado de 26 anos, preso com 262 kg de explosivos embaixo da cama, onde ele dormia com a esposa e 2 filhos, no Jardim Aeroporto em Campo Grande, teve nesta 5ª-feira (17.dez.2020) o flagrante convertido em prisão domiciliar. A cunhada dele, de 24 anos, que também passou por audiência de custódia nesta manhã, teve medidas restritivas de liberdade determinadas pela Justiça. Ambos são suspeitos de esconder a quantidade de explosivos por 4 anos a mando do ex-esposo da cunhada, que está preso. 

Segundo investigação, os cunhados não possuíam antecedentes criminais e devem responder por posse ilegal de artefato explosivo, com pena que varia de 3 a 6 anos de prisão. Ontem, (16.dez) o delegado que fez o flagrante na Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico (Denar), explicou ao MS Notícias que se detonada, a quantidade de explosivos deixaria apenas um buraco onde hoje é localizado o bairro Jardim Aeroporto. "Iria tudo pelos ares, só ficaria um buraco no local", comentou.  

Com os jovens, foram encontrados explosivos e cordéis detonadores. O material foi encaminhado nesta 5ª-feira (17.dez) à perícia e, conforme a polícia, devem ser detonados após análise, com o apoio da Delegacia Especializada em Repressão à Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros (Garras), que ontem pela manhã auxiliou na prisão dos suspeitos. O Garras foi quem isolou as quadras do imóvel onde estavam os 260 quilos de explosivos.  

A investigação diz que recebeu uma denúncia anônima e fez buscas por 10 dias, até identificar os envolvidos e ir até o endereço do homem e da cunhada dele. No primeiro caso, os policiais foram até o Jardim Aeroporto e, mesmo o homem negando que não havia nada de ilícito no imóvel, ele permitiu as buscas e os policiais encontraram as bananas de dinamite no quarto.

Os explosivos, segundo a Denar, foram roubados da Pedreira São Luíz, em dezembro de 2016. Na ocasião, dois indivíduos chegaram armados ao local, renderam um responsável, prenderam ele em umas das casas na Pedreira e levaram grande quantidade de explosivos. Desde então, os explosivos estavam desaparecidos.