25 de maio de 2024
Campo Grande 14ºC

TENTATIVA DE HOMICÍDIO | CAMPO GRANDE

Irmãos desfiguram Antônio a golpes de facão no Zé Pereira

Após bebedeira, autor disse achar que vítima o encarava

A- A+

Antônio Flávio Valadares, de 53 anos, foi atacado às 10h15 do sábado (1.abr.23), a golpes de facão desferidos por Paulo Roberto Rocha Arguelho e Ronnie Chester Rocha Arguelho, na Rua José Garcia Veloso, no Bairro Zé Pereira, em Campo Grande (MS).

Segundo registro de ocorrência, os autores do ataque são irmãos e bebiam com Antônio momentos antes do crime. 

A polícia disse que foi acionada por volta das 10h20 ao local do crime, onde uma viatura URSA prestava primeiros socorros a Antônio. Ele estava ao solo, todo ensanguentado. Havia cortes nas regiões frontal, parietal, occipital da cabeça e na face dele. Apresentava cortes no ombro direito, nas costas, na mão direita e exposição óssea na mão esquerda. Diante disso, Antônio foi levado às pressas para o Hospital Santa Casa, em razão dos diversos ferimentos.

Enquanto Antônio era levado ao Hospital, a polícia seguiu os rastros deixados pelos irmãos.

Após o ataque a facões, os irmãos fugiram adentrando uma mata da Embrapa, que fica a duas quadras do local.

Momentos depois, outra equipe da polícia abordou os irmãos na Rua Wanderley Pavão, no Jardim Aeroporto. Confrontados pela Polícia Militar (PM), a dupla acabou confirmando a autoria do crime.

Na versão de Paulo, a vítima o encarava e o teria ameaçado de morte. Com isso, juntamente com Ronnie, foram até o local onde moram e pegaram dois facões, tendo voltado ao local determinados a matar Antônio. Chegando lá, sem nem mesmo discutirem, desferiram diversos golpes contra a vítima.  

A PM disse que foi até a região de mata da Embrapa, local indicado pelos autores como rota de fuga. A PM disse ter feito buscas pelos facões utilizados no crime, porém não houve êxito em encontrá-los

Os irmãos não possuíam ferimentos, indicando que nem mesmo houve luta com Antônio.

Eles foram presos em flagrante por tentativa de homicídio qualificado pela traição, de emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido. O caso está registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário do Centro (Depac).