28 de setembro de 2021
Campo Grande 36º 22º

Policial Civil morre agredido por preso no interior do Estado

A- A+

Por volta das 16 horas desta quarta-feira (25), o Investigador de Polícia Judiciária Anderson Garcia da Costa de 37 anos foi atingido com violência por um preso, não resistiu aos ferimentos e morreu a caminho do hospital, o caso aconteceu em Pedro Gomes – distante 307 quilômetro de Campo Grande.

No período da manhã desta quarta-feira, Anderson foi até a cela da delegacia para retirar o preso Zózimo Pereira dos Santos de 51 anos, pois o mesmo sofria de problemas psiquiátricos e seria transferido para clínica, medida requerida e concedida pelo Poder Judiciário local, e foi neste momento que o policial foi atingido com violência por Zózimo.

Fazia poucas horas que Zózimo teria sido preso, o crime cometido por ele foi furto, porém foi constatado que o autor tinha problemas psiquiátricos, e durante a tentativa de sedá-lo para ser internado, ele cometeu a agressão. Anderson ainda tentou se defender atirando três vezes contra Zózimo, que foi ferido na barriga e socorrido, tanto o policial quanto o autor foram encaminhados primeiramente para o hospital de Coxim, e posteriormente para Campo Grande.

Durante a transferência de Anderson para Campo Grande, ele não resistiu e morreu.

Custódia de presos

Em coletiva de imprensa realizada na manhã desta segunda-feira (23), o presidente do Sinpol-MS (Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul) Giancarlo Miranda e o vice presidente Paulo Queiroz disseram considerar irresponsável por parte do governo do Estado, o acúmulo e desvio de funções dos policiais civis do Estado.

  “Dia 12 de dezembro nós faremos uma assembleia na sede do sindicato onde os assuntos principais será o acúmulo de presos nas delegacias, porque se o executivo e judiciário não tomarem uma atitude e caminharem juntos com os policiais civis no sentido de retirarem esses presos, nos vamos ter que tomar uma atitude mais radical, existe a possibilidade inclusive da entrega da chave das delegacias”. Conclui Giancarlo.