25 de junho de 2024
Campo Grande 29ºC

Presidente da Adepol nega envolvimento e coloca à disposição quebra de sigilo telefônico

A- A+

A reportagem do site MS Notícias esteve na manhã de hoje na Adepol (Associação dos Delegados de Mato Grosso do Sul), para uma conversa com presidente Marcelo Vargas. O presidente da associação foi apontado ontem, em matéria veiculada no Fantástico, como um dos envolvidos em um esquema de máquinas caça-níqueis no Estado. Marcelo nega.

De acordo com Vargas, desde a noite de ontem, após a matéria divulgada nacionalmente, diversas ligações pedindo esclarecimentos foram recebidas. “Fomos tomados por surpresas, não esperava uma divulgação a nível nacional, a reportagem do Fantástico também me ligou no sábado dizendo que meu nove havia sido citado”, disse.

O Ministério Público autorizou um delegado de Araçatuba (SP), investigar Clayton Batista em um esquema de caça-níquel. Clayton ofereceu propina ao delegado, que com autorização da justiça, começou a gravar os encontros. Sem saber que era filmado, o homem deletou os esquemas em alguns estados, inclusive Mato Grosso do Sul.

Para Vargas, se ele estivesse realmente envolvido no esquema, durante os quatro meses de investigação seu nome seria citado. “Eu desafio vocês a provarem se em algum momento desses quatro meses ele fez algum contato comigo, me repassou algum dinheiro, se eu favoreci ele em alguma coisa, até porque eu estou afastado da polícia há quase dois anos para o exercício do mandato classista”, disse.

O presidente da Adepol disse estar à disposição para qualquer esclarecimento, e disponibilizou a  quebra sua e da família, de sigilo bancário, fiscal e de telefones, com o objetivo de esclarecer o mais rápido possível os fatos.

Questionado o motivo que Clayton teria citado seu nome, Vargas disse que não saberia responder, mas afirmou acreditar que ele pode ter sido induzido a citá-lo como evolvido, em ação de "fogo amigo". “A gente percebe claramente que houve uma indução para que ele dissesse o meu nome”.

“Não temos medo nenhum de qualquer tipo de investigação. A hora que chegar o resultado da investigação, e infelizmente demora algum tempo, vamos chegar a verdade real dos fatos, que é o não envolvimento nosso com quem quer que seja do mundo do crime”, garante o presidente.

De acordo com Marcelo Vargas, ele solicitou à reportagem do Fantástico os vídeos na íntegra para ter conhecimento de tudo do teor da conversa, porém, ainda não foi disponibilizada, pois, conforme explicou, a equipe do Fantástico teria dito e ele que o material está em processo de edição. Na matéria veiculada, Clayton diz que há cerca de 80 caça-níqueis em Campo Grande.

O presidente enviou um ofício à Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Estado solicitando com urgência a apuração de fatos criminosos imputados em seu desfavor. Solicitou a instauração de procedimento criminal, para a investigação.

Tayná Biazus