12 de junho de 2021
Campo Grande 25º 14º

Roubo de picape foi encomendada por presidiários, diz Polícia

A- A+

O assalto que terminou com a execução do estudante de Medicina Eric Francio Severo, 21 anos, em Sinop (500 km ao Norte de Cuiabá), no fim de semana passado, foi encomenda por dois presidiários de São Paulo.

445eb451fb55c2cdc3323a61a282606e A informação é do delegado da Polícia Civil de Sinop e responsável pelo caso, Sérgio Ribeiro Araújo, que apontou que os latrocidas Márcio Marciano Batista, 30 anos, e Rafael Bruno dos Santos Mussuco, 25 anos, confessaram os nomes dos mandantes do crime. O depoimento aconteceu na tarde de segunda-feira (29) e durou por volta de duas horas. “Eles falaram dos presidiários de São Paulo. Ao todo, são, pelo menos, quatro pessoas. Nós sabemos, mais ou menos, quem é essa quarta pessoa. Temos ainda verificar todas as situações”, disse o delegado ao MidiaNews. Além disso, conforme o delegado, a caminhonete S-10 roubada do estudante teria como destino o município de Ponta Porã, e não Dourados (MS), como inicialmente havia sido cogitado. “Não sabemos ao certo se o veículo seria usado para transportar droga ou se seria vendido para comprar a droga. Isso a dupla não soube dizer. Ainda estamos investigando”, disse Araújo. A Polícia analisa também as imagens da câmera de segurança da boate, que mostra o local onde o assalto ocorreu. Além delas, foram recolhidas imagens de estabelecimentos próximos ao bar. “Apesar da confissão, quanto mais prova, melhor. Nós ainda vamos analisar isso aí”, completou o delegado. Identificação Em depoimento, os latrocidas garantiram que a morte do estudante Eric não estava nos planos e que aconteceu por “medo”, segundo o delegado. Eric foi morto a tiros e seu corpo foi abandonado em um matagal próximo ao município de Lucas do Rio Verde (a 120 km de Sinop). “O objetivo era só roubar o carro. Eles mataram porque conversaram entre si, na frente da vítima, e deram muitos detalhes que poderiam identificá-los. Assim, eles ficaram com medo de, quando soltassem o rapaz, ele informasse o primeiro nome deles, os carros que eles tinham. Então, por medo de serem identificados, mataram o estudante”, disse Sérgio Araújo. Márcio Marciano Batista confessou que não sabia o que fazer com o estudante e que, por nervosismo, executou o rapaz. “A gente não ia matar mesmo. A gente não sabia o que fazer. A gente começou a conversar e no nervosismo e acabamos falando muita coisa da gente”, disse ele ao site Só Noticias. Ele afirmou ainda que não conhecia o estudante e que ele foi alvo devido ao veículo que já estava estacionado. “Não conhecia o rapaz. A gente passou na rua e encostou atrás dela (caminhonete). Falamos: é ela”, contou. Já Rafael Bruno dos Santos Mussuco afirmou que não fez parte do planejamento do crime e que apenas dirigiu o veículo, pois estava desempregado. Ele alegou que a responsabilidade sobre a morte do estudante foi de seu companheiro. “Eu só dirigi a caminhonete. Eu fui chamado (para o crime) na mesma noite. Eu ia acertar na hora. Não estava trabalhando atualmente. Eu estava um tempo parado já”, disse. Com os depoimentos colhidos, a investigação já em fase final, o delegado Sérgio Ribeiro Araújo deve finalizar o inquérito na próxima semana. “Agora, vamos concluir o inquérito e mandar indiciar. Ao todo, são 10 dias para finalizar tudo”, disse. Os latrocidas continuam presos no presídio Osvaldo Florentino Leite, o “Ferrugem”,em Sinop, até o julgamento do caso pela Justiça. Entenda o caso O jovem Eric Francio Severo estava desaparecido desde sábado (27), quando foi rendido por Márcio Batista e Rafael Mussuco, quando saía de uma festa. Eles confessaram a autoria do assassinato. Os bandidos roubaram a caminhonete S-10 branca, que era de propriedade do pai do rapaz, o publicitário e advogado Leonildo Severo, e seguiram no sentido Campo Grande (MS). Eles foram detidos na manhã de domingo (28) na cidade. Inicialmente, negaram o assassinato de Eric e informaram que o estudante havia ficado em Sinop. A confissão só ocorreu após a esposa de um dos bandidos ser detida para prestar esclarecimento. O corpo do estudante foi encontrado a cerca de 200 km da cidade. Os ladrões foram presos na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac), na Vila Piratininga, em Campo Grande. Além da prisão, a polícia recuperou a caminhonete e encontrou uma arma de fogo e alguns metros de corda.

Midia News