16 de maio de 2022
Campo Grande 21º 13º

MISS BRASIL | MULHER TRANS

Campo-grandense Emanuelle Fernandes será representante do MS no concurso Miss Beleza T Brasil

Emanuelle Fernandes tem 32 anos de uma beleza estonteante, é forte candidata para trazer o título de Miss Brasil

A- A+

No dia 29 de Janeiro acontece em São Paulo Capital o Miss Beleza T Brasil. Será a noite de coroação do maior concurso para travestis e transexuais do pais, irá acontecer durante a Semana da Visibilidade Trans. Serão 27 meninas disputando o título. A vencedora vai ganhar a viagem para a Tailândia com tudo pago para participar do Miss Internacional Queen.

O Miss Beleza T Brasil é um concurso que reúne mulheres transexuais e que visa eleger, entre candidatas de cada estado, a representante nacional da beleza da mulher T brasileira. Realizado em São Paulo desde 2019, o concurso tem como missão a conscientização e a promoção de igualdade entre mulheres travestis e transexuais, tanto na sociedade como no mercado de trabalho. A vencedora de cada edição representa o país no Miss International Queen.

O concurso Miss Queen é destinado a mulheres transgêneras de diversas partes do mundo. Realizado na Tailândia desde 2004, o concurso tem como missão a conscientização e a promoção de igualdade entre homens e mulheres LGBTQIA+, tanto na sociedade como no mercado de trabalho, enquanto todos os lucros monetários do show são doados para a Royal Charity AIDS Foundation of Thailand, o qual a vencedora vira embaixadora durante seu reinado.

Matogrosso do Sul estará muito bem representada nessa noite de muito Glamour. 

Emanuelle Fernandes tem 32 anos, é uma mulher transexual natural de  Campo Grande. Ela é modelo e atualmente trabalha como recepcionista em uma clínica de estética, além  de ter experiência com trabalhos no âmbito do movimento LGBTQI+.

Com uma beleza estonteante, olhar doce, fala meiga, rosto lindo e jeito de mulher, ela fala que ao longo dos anos foi fazendo algumas intervenções no rosto, com aplicação de hormônios e raspagem no osso no nariz. 

Nascida ainda na década de oitenta, ela lembra que mal se falava na infância sobre homossexualidade, tão pouco sobre transexuais. 

Só aos 18 anos, ela experimentou vestir pela primeira vez roupas e sapatos femininos. Demorou ainda quatro anos para se olhar no espelho e reconhecer a mulher que há tanto tempo permaneceu escondida, mas que nunca deixou de estar ali .


Nós conversamos com exclusividade com a deslumbrante Miss Trans Mato Grosso do Sul Emanuelle Fernandes, confira nossa entrevista na íntegra.

1- Como nasceu esse interesse pelo mundo miss?

EF : “Em 2007 porque eu conheci uma casa noturna chamada Bistrot que tinha muitos artistas transformistas e lá acontecia O Miss Gay Campo Grande , nesse mesmo ano comecei a arte do transformismo e acabei ganhando o meu  primeiro concurso nesse mesmo ano. Desde então participei de todos os concursos que pude. Amo esse universo, fui Miss Campo Grande em 2007,  Miss Mato Grosso do Sul em 2010 e representei o Estado no Miss Brasil conquistando o  terceiro lugar, Miss beleza trans em 2012 e  atualmente Miss Beleza Trans Mato Grosso do Sul e representarei nosso Estado no Miss Brasil”.

2- Como é ser uma mulher transexual no Mato Grosso do Sul?

EF : “ No começo foi bem difícil e o mais complexo é a auto aceitação para ter forças para lhe dar com o ambiente familiar e criarmos força para o convívio social. Infelizmente hoje ainda existe o  preconceito velado mais graça Deus o preconceito contra nós mulheres transexuais é crime então a gente tem respaldo e isso facilita muito. Mas sinto que estamos longe de alcançar igualdade social. Todo dia é um novo dia”.

3- A nível emocional, sente que sofreu uma mudança com a transição? Quais são as diferenças entre antes e depois?

EF: “ Quando me fazem essa pergunta apesar de ter nascido do sexo masculino eu não tenho no meu pensamento essa TRANSIÇÃO.
Tenho a sensação que por um período eu não era dona de mim e com tempo eu consegui esse poder. Então não existe a possibilidade de transição em algo que você sempre foi. Só senti esse peso pela sociedade que cobra que alcancemos esse fenótipo feminino para sermos de alguma forma aceitas”.

4- O que gostaria de dizer às pessoas que passaram (ou estão a passando ) pela transição e que também sonham em ser miss?

EF: “ Primeiramente em relação a transição tenha calma respeitem o processo, porque esse processo acontece na vida de qualquer ser humano.
Em relação ao mundo Miss se é seu sonho, busque realizá-lo, estude, se prepare, faça com que ele aconteça. Porque indiferente qual o sonho seja é importante realizá-lo”.

5- Qual a maior importância hoje de estar levando o nome do seu Estado em um concurso tão importante para o universo Trans?

EF: “ Creio que não é um concurso importante somente para nós trans, eu creio que é um curso importante para o mundo, porque é uma forma da gente ser vista, de mostrarmos  nossas vivências, é uma oportunidade de mostramos que somos de verdade, que temos família, temos emprego, que esse concurso vai muito além de beleza é uma  inserção na sociedade. Uma forma de dizer EI ESTAMOS AQUI. Mas ao mesmo tempo sermos lembradas e exaltadas. É um reconhecimento da beleza da mulher trans”.

Tags: #miss, #trans, Beleza